Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Motoristas fizeram protesto durante enterro de um dos condutores mortos no último fim de semana | Gerson Klaina/tribuna do parana
Motoristas fizeram protesto durante enterro de um dos condutores mortos no último fim de semana| Foto: Gerson Klaina/tribuna do parana

Os recentes casos de violência contra motoristas de aplicativos de transporte em Curitiba e Região Metropolitana (RMC) deixaram a categoria em alerta. O assassinato de dois condutores dos apps Uber e 99POP em menos de 48 horas no último fim de semana motivou protestos e foi tema de uma reunião entre condutores e o secretário de Defesa Social de Curitiba, Guilherme Rangel, e representantes da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp). Participaram também as polícias Civil e Militar.

Contudo, as principais reclamações dos motoristas é destinadas às empresas. Eles pedem que as plataformas adotem medidas de segurança mais eficientes, principalmente no cadastro de novos usuários. Segundo os motoristas, os apps devem ser tão rígidos no cadastro de novos clientes quanto é com a seleção de parceiros, exigindo antecedentes criminais, dados pessoais e comprovante de residência.

De acordo com a Uber, a empresa já vem trabalhando em ferramentas específicas para lidar com a realidade brasileira, mas que os crimes são um problema de segurança pública e não uma falha da plataforma. No caso da verificação dos usuários solicitada pelos motoristas, ela diz ter lançado recentemente uma ferramenta que exige o CPF e a data de nascimento de quem for pagar as viagens apenas em dinheiro. “Os dados são conferidos com a base de dados do governo federal para confirmar a identidade do usuário. Os demais usuários, que efetuam pagamento em cartão, já tinham seus dados cadastrais fornecidos pelas instituições financeiras”, afirma a Uber em nota.

No entanto, para os motoristas, isso não é o suficiente. De acordo com um dos motoristas parceiros da empresa, Victor Hugo, essa medida não é o suficiente. “É muito fácil usar um gerador de CPF e email falso. Quem vai cometer um crime usa isso para driblar o sistema, então só essa solução não é o suficiente. Tem que filtrar pelo usuário”, diz o condutor.

Outra reivindicação dos condutores é que a polícia atue de maneira mais efetiva com operações que impeçam a ação de criminosos. De acordo com a Sesp, medidas de policiamento preventivo e de investigação já estão sendo feitas para coibir novos crimes.

Tecnologia de monitoramento

Ainda assim, a Uber diz usar a tecnologia em prol da segurança dos condutores. Exemplo disso é que, segundo ela, nenhuma viagem realizada pela plataforma é anônima, já que todas são registradas via GPS. “Isso permite, por exemplo, que em caso de incidentes nossa equipe especializada possa dar o suporte necessário, sabendo quem foi o motorista parceiro e o usuário, seus históricos e qual o trajeto que foi feito”, afirma a companhia.

Já a 99POP diz usar um sistema de inteligência artificial que mapeia áreas de risco e alerta o motorista. “Nossa inteligência artificial analisa ainda o perfil dos passageiros com base em vários critérios, como o número de corridas”, explica a empresa. Assim, o condutor fica sabendo se o passageiro é frequente já no recebimento da chamada. “Com essas ações, diminuímos em 80% o número de ocorrências desde a criação da área de segurança, em julho”.

Procurada, a Cabify não respondeu até a publicação desta reportagem.

Resposta à violência

Contudo, mesmo com essas medidas, dois motoristas que dirigiam para os aplicativos foram mortos na RMC. Marcos Mathoso Cordeiro, de 25 anos, trabalhava pela Uber e seu corpo foi encontrado na madrugada de sexta-feira (19) em Almirante Tamandaré e seu carro foi abandonado dentro de um dos lagos do Parque Tingui. No mesmo fim de semana, o motorista do 99POP Felipe Milki foi morto em Colombo. Seu corpo foi encontrado com marcas de facadas.

Segundo a Uber, em caso de assalto ou qualquer tipo de violência, a orientação é que os motoristas entrem em contato imediatamente as autoridades policiais para o registro de boletim de ocorrência. Além disso, tanta a empresa quanto a 99POP oferecem um telefone 0800 para que os motoristas registrem qualquer ocorrência e solicitem apoio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]