i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ajuste fiscal

Arrecadação de IOF sobe 8,8% no primeiro trimestre

Alíquota sobre operações de crédito para pessoas físicas passou de 1,5% ao ano para 3% em janeiro

    • Estadão Conteúdo
    • 27/04/2015 16:37

    A arrecadação começa a registrar os primeiros impactos das medidas de elevação de tributos implementadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. O Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) apresentou alta de 8,8% no trimestre e de 13,99% na comparação entre março e igual mês do ano passado.

    Esses incrementos, segundo a Receita Federal, se explicam pelo aumento da alíquota sobre operações de crédito para pessoas físicas, que passou de 1,5% ao ano para 3% em janeiro.

    Nesta segunda-feira (27), a Receita Federal anunciou que a arrecadação de tributos e contribuições federais somou R$ 309,376 bilhões no primeiro trimestre, uma redução de 2,03% na comparação com os três primeiros meses do ano passado.

    Arrecadação soma R$ 94,112 bilhões em março

    Alta foi de 0,48% na comparação com o mesmo mês de 2014; no acumulado do ano, recuo é de 2,03%

    Leia a matéria completa

    No resultado de março, a arrecadação chegou a R$ 94,112 bilhões, o que representa uma alta real de 0,48% na comparação com o mesmo mês de 2014. Com relação a fevereiro, o resultado traz um aumento de 2,94% na arrecadação.

    O chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Rodrigues Malaquias, afirmou nesta segunda-feira (27) que o comportamento da arrecadação de tributos e contribuições federais apresenta movimento de melhora a cada mês.

    Ele ressaltou, entretanto, que os números são afetados pela situação da economia. “Todos os indicadores macroeconômicos estão com trajetória decrescente”, disse, ponderando que o cenário afeta a arrecadação. Ele afirmou que as medidas de ajuste da economia, comandadas por Joaquim Levy, ocorrem no sentido de restabelecer a arrecadação.

    IRPJ e CSLL

    Malaquias afirmou também que o setor financeiro deu contribuição significativa para a arrecadação nas declarações de ajuste de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ). No total, o setor financeiro contribuiu R$ 5,132 bilhões em março, um aumento de 629% na comparação com o mesmo mês de 2014.

    No total, a arrecadação do IRPJ e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) subiu 122,49% em março de 2015, comparado com março do ano passado. “A gente não tem condições de estimar, no comportamento do contribuinte, qual vai ser a forma do ajuste. Neste ano, tivemos uma concentração no mês de março”, disse.

    Segundo ele, a Receita ainda está analisando os motivos desse aumento. “A maior parte dele vem do setor financeiro. Esse ajuste está ligado ao lucro das empresas do setor financeiro”, afirmou. Ele pondera que o desempenho dos bancos não está unicamente ligado ao resultado apresentado no ajuste, já que a estimativa para o ano pode ter sido menor, gerando um ajuste maior.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.