Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

Redes sociais como MySpace, Facebook ou Orkut já não são suficientemente boas para os 'bem nascidos' e VIPs, celebridades e pessoas abonadas que andam de jatos particulares e andam com motoristas particulares e seguranças em carros esportivos de luxo. Os hábitos virtuais de afortunados dos Estados Unidos estão ligados a redes sociais em que, para se inserir, o indivíduo tem que ter "berço" ou, pelo menos, uma rede de amizades tão boa quanto sua conta bancária.

Para fazer parte de portais como o "aSmallWorld" (aSW - http://www.asmallworld.net ) ou o "VipSocial Network" ( http://www.vipsocialnetwork.net ), o usuário precisa enviar um currículo sobre sua carreira, seus dotes financeiros e sua árvore genealógica, ou contar com indicações de celebridades ou amigos abonados. Mesmo assim, os gerenciadores destas redes podem levar meses para aprovar um novo usuário.

- Muitos portais e redes sociais são de baixíssima qualidade - afirmou à BusinessWeek o empresário Roger Conner Jr., de 22 anos, que fundou uma consultoria californiana aos 18, e é conhecido no Vale do Silício como um dos novos ricos da internet.

Quase não é possível saber quem faz parte deste universo, mas segundo a Wikipedia, o portal aSmallWorld conta com celebridades como Naomi Campbell, Paris Hilton, Quentin Tarantino e Tiger Woods. Esta preservação de identidades é uma das premissas do aSmallWorld, já que para ingressar sem muita delonga nesta rede o usuário precisa de uma indicação, confirmada por pelo menos outros dois conhecidos, como em um "country club".

A aSmallWorld, aliás, é uma das mais odiadas entre os excluídos da internet. Existem até comunidades online que criticam a prática. No site "InviteShare.com", existe uma lista de mais de 600 usuários à espera de convites para o portal aSW.

- O site deixa de ser valorizado por anunciantes se passa a ser 'povoado' por pessoas desconhecidas - afirmou à revista o fundador do serviço, Erik Wachtmeister.

Mesmo sob o ataque de críticas - uns o classificam como elitista, outros como fracassado pelo modelo de negócios exclusivo - Wachtmeister expõe bons: em três anos e meio após o lançamento a rede aSW passou de 500 usuários para cerca de 260 mil. O volume pode ser entendido como volume de VIPs de verdade, se for comparado aos 100 milhões de usuários registrados no MySpace. Para quem gosta...

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]