i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Overgame

Uma história de beijos e socos

  • PorEWANDRO SCHENKEL – ewandros@gazetadopovo.com.br
  • 15/08/2010 21:32
Ação, que é baseada em uma história em quadrinhos e chegará em breve também ao cinema, comporta até quatro jogadores. Pena que não permite partidas on-line | Arquivo/ Gazeta do Povo
Ação, que é baseada em uma história em quadrinhos e chegará em breve também ao cinema, comporta até quatro jogadores. Pena que não permite partidas on-line| Foto: Arquivo/ Gazeta do Povo

Ficha técnica

Scott Pilgrim vs. The World

- Plataforma: PS3

- Produtora: Ubisoft

- Categoria: Plataforma

- Preço: R$ 20

- Pró: Revira o velho para fazer o novo

- Contra: Problemas de movimentação

Segunda semana seguida que este colunista analisa um jogo disponível em lojas on-line e que não tem uma versão em suporte físico (DVDs, Blu-rays, CDs...). O fato pode ter dois lados claros: os games produzidos de forma independente estão ganhando atenção do mercado ou as grandes produções estão em franco declínio. Ou os dois. Cer­­to é que Scott Pilgrim Vs The World: The Game, assim como Limbo, analisado na semana passada, é uma grata surpresa que mostra como boas ideias bem executadas chutam para longe a onda de pieguice que assombra a maioria dos jogos "blockbusters".Além disso, o lançamento é um bom exemplo de um produto cultural "crossmedia" dos novos tempos. Nasceu nos quadrinhos, está fazendo fama nos videogames e chegará ao cinema. Não é um jogo baseado em quadrinhos, muito me­­nos o filme, a ser lançado no Brasil nos próximos meses, é baseado em games, como os péssimos exemplos de Resident Evil ou Street Fighter. As referências se misturam a tal ponto que uma das poucas con­­clusões que se pode chegar é que, desde o início, o objetivo era atacar em várias frentes. Resultado: um HQ bem acabado, um jogo sensacional e aposta de um filme interessante.

Já conhecida pelos HQs homônimos – publicado no Brasil pela editora Quadrinhos na Cia.–, a história de Scott Pilgrim abusa de referências da cultura nerd, gamer e "moderninha" para criar um enredo impossível, porém contemporâneo. Um jovem músico tem a vida virada de cabeça para baixo após se apaixonar por uma garota-problema. O que impede a consumação da relação são os sete ex-namorados dela, que tentarão de tudo para evitar que os dois protagonistas fiquem junto. Como os produtores resumiram, é uma história de beijos e socos.

A primeira impressão, e que não dura por muito tempo, é que estamos na frente de um datado jogo de plataforma no estilo "beat’up" (destrua todos os inimigos que aparecem na tela). Mas é só começar a aparecer as explícitas citações de Final Fight, Mega Man, Sonic e Ninja Gaiden que a sensação muda. Trata-se de um jogo no­­vo, criativo e com uma enorme car­­ga de nostalgia. Com boa dose de dificuldade – pouco comum hoje em dia e que pode afugentar os jogadores mais casuais – e visual "retrô" inspirados em fliperamas e consoles da geração 16-bits, Scott Pilgrim se destaca por não ficar preso às antigas jogabilidades. Ao contrário de Double Dragon, uma das principais inspirações da Ubisoft, a ação é entrecortada por diversos pequenos desafios, entres eles têm até uma disputa de guitarra no melhor estilo Guitar Hero.

Apesar de parecer feito especialmente para os fãs de fliperamas dos anos 90, deve conquistar quem nunca comprou uma ficha. Os sete ex-namorados são, evidentemente, os "chefões de fase". Cada um com diversos superpoderes e inspirados em clássicos inimigos. O desafio pode ser compartilhado com até quatro jogadores locais, tornando ainda mais frenética a movimentação de personagens nas telas. Além de Scott, pode-se es­­colher a namorada, Ramona Flowers, e mais dois amigos: Kim e Stills. Os quatro personagens também podem compartilhar energia e itens coletados, fazendo com que os mais fracos tenham alguma sobrevida. O ponto negativo é não poder disputar partidas on-line.

E não é apenas na direção de arte que Scott Pilgrim abusa das referências antigas. A trilha sonora foi inteiramente composta pela banda americana Anamanaguchi, conhecida por fazer músicas "chiptune punk". Traduzindo: usam um Nintendo 8-bits e um Gameboy hackeados para fazer um som sujo e extremamente datado. Depois de algum tempo, a conclusão é que Scott Pilgrim Vs The World: The Game é um jogo com um ótimo custo benefício se comparado com outras produção. Por cerca de US$ 10 o jogador poderá desfrutar muitas horas de diversão com um produto coeso e bem acabado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.