i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dubai

Com Dubai, Meirelles reforça alerta contra euforia

Presidente do BC diz que episódio reforça necessidade de cautela. HSBC está confiante que Dubai e Emirados vão superar problema

  • PorG1/Globo.com
  • 27/11/2009 15:49

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira (27) que os bancos brasileiros não estão expostos aos problemas de dívida de Dubai, mas usou o episódio para fazer um novo alerta sobre o excesso de euforia.

Segundo ele, a questão de Dubai mostra que a economia mundial está se recuperando, mas que ainda existem incertezas e novos contratempos podem ocorrer. O Brasil, no entanto, pode superá-los e o BC continuará acumulando reservas para garantir a força do país.

"Os bancos brasileiros não estão expostos a este fundo ou a este tipo de problema, inclusive pelas próprias restrições da regulação brasileira", disse Meirelles a jornalistas após palestra em São Paulo, referindo-se aos estatais Dubai World e Nakheel.

Dubai informou na quarta-feira que quer que credores desses conglomerados esperem o pagamento de dívida, em um primeiro passo para uma reestruturação.

Do lado macroeconômico, o crescimento brasileiro está ancorado no aumento da renda, do emprego e do crédito doméstico, o que o torna menos vulnerável à instabilidade externa, acrescentou Meirelles.

Ele ressaltou, no entanto, que a crise financeira mundial ainda não foi totalmente superada e que novas situações como essa podem ocorrer, mas não na mesma escala da turbulência gerada pelo setor imobiliário norte-americano.

"A recuperação global está ocorrendo, mas é lenta, dolorosa e sujeita a incertezas e é isto que está acontecendo. Essa é uma das razões pelas quais temos alertado contra o excesso de euforia", acrescentou.

O presidente do BC destacou, por outro lado, que as autoridades norte-americanas e europeias, que têm mais exposição a investimentos em Dubai, estão mostrando tranquilidade.

Além disso, os bancos internacionais possuem as ferramentas para enfrentar a situação, conforme mostraram os testes de estresse feitos pelo BC dos Estados Unidos neste ano para determinar as necessidades de capitalização das instituições.

No Brasil, Meirelles disse que o Banco Central manterá sua política de acúmulo de reservas internacionais devido à continuidade das incertezas pós-crise.

Meirelles também foi questionado sobre o comentário feito nesta semana pelo diretor de Política Econômica do BC, Mário Mesquita, de que a autoridade deveria participar da supervisão dos fundos de investimento.

O presidente do BC respondeu que "isso é algo que será objeto de grande discussão entre o BC e a CVM no mundo inteiro, porque é importante avançarmos na integração de informações, como a crise nos mostrou."

HSBC

O executivo-chefe do HSBC Holdings, Michael Geoghegan, afirmou em um comunicado distribuído por e-mail que o banco está confiante de que Dubai e os Emirados Árabes Unidos (EAU) "vão superar qualquer problema de curto prazo que enfrentarem". No entanto, o banco não forneceu dados sobre sua exposição atual aos EAU e a Dubai.

Em 30 de junho, o HSBC registrava empréstimos brutos de US$ 16,3 bilhões para os EAU, de acordo com o relatório sobre os resultados do banco no primeiro semestre deste ano, que incluíam empréstimos comerciais, residenciais e pessoais. Analistas dizem que a exposição do HSBC está entre as maiores da Europa.

Os bancos europeus enfrentam perdas potenciais estimadas em US$ 40 bilhões com exposição a Dubai depois que o maior conglomerado do emirado, o Dubai World, pediu a credores uma paralisação de seis meses no pagamento de suas dívidas. Dubai é um dos sete emirados que compõem os EAU.

"Embora nosso negócio no Oriente Médio represente apenas 2% do balanço financeiro do grupo, é uma parte importante e de alto potencial do mix de negócios internacionais do HSBC e uma região com a qual estamos completamente comprometidos", afirmou Geoghegan no comunicado.

Após vários anos de crescimento rápido e alimentado por dívidas, a economia de Dubai tem sofrido nos últimos 18 meses com a recessão global e conforme os investimentos estrangeiros em seus ambiciosos projetos de infraestrutura diminuíram. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.