i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
câmbio

Dólar fecha abaixo de R$ 3 pelo segundo dia seguido

A moeda norte-americana teve alta de 0,18%, a R$ 2,9981 na venda

    • Reuters
    • 15/05/2015 18:04

    O dólar anulou a queda vista na maior parte da sessão e fechou em leve alta nesta sexta-feira (15), mas ainda abaixo dos R$ 3 pela segunda sessão consecutiva. A cotação veio após mais uma rodada de indicadores econômicos fracos dos Estados Unidos dar força à percepção de que o Federal Reserve deve demorar para elevar os juros na maior economia do mundo.

    A moeda norte-americana teve alta de 0,18%, a R$ 2,9981 na venda, após oscilar entre R$ 3,0155 na máxima e R$ 2,9705 na mínima da sessão. Na semana, o dólar subiu 0,49%. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de US$ 1,1 bilhão.

    A moeda norte-americana passou a maior parte da sessão em queda, influenciada pelos dados econômicos dos Estados Unidos. No fim da sessão, no entanto, investidores aproveitaram a baixa e voltaram às compras.

    “O mercado ainda está muito ressabiado com o patamar de R$ 3. Na última vez que o dólar ficou abaixo de R$ 3 o BC diminuiu a rolagem dos contratos de swap, então muita gente aproveitou a queda e voltou a comprar no fim da tarde”, disse o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.

    Dados dos EUA

    A produção industrial norte-americana caiu em abril pelo quinto mês consecutivo, enquanto a confiança do consumidor inesperadamente recuou no período. Os dados somam-se a uma série de números decepcionantes sobre atividade e inflação nos EUA divulgados nas últimas sessões.

    Fraqueza persistente na economia norte-americana poderia levar o Federal Reserve a adiar o início do aperto monetário, mantendo a atratividade de ativos de países como o Brasil. “Está cada vez mais difícil acreditar que a economia dos Estados Unidos está com a bola toda”, disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

    O economista da empresa de análise financeira 4Cast Pedro Tuesta acredita que a trajetória do dólar no mercado brasileiro dependerá dos dados norte-americanos da semana que vem. No entanto, operadores olhavam com ceticismo a possibilidade de o dólar assentar-se abaixo de R$ 3.

    Swaps

    A percepção é de que cotações abaixo desse patamar poderiam abrir espaço para o Banco Central reduzir sua posição em swaps cambiais.

    “Esse fluxo positivo, se persistir por mais algum tempo, pode levar o BC a aproveitar a oportunidade e reduzir ainda mais a rolagem de swap cambial”, escreveram analistas da corretora Lerosa Investimentos em nota a clientes. “Essa atitude poderá ser interpretada como tentativa do BC de manter o câmbio acima de R$ 3”.

    Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de swaps para rolagem dos contratos que vencem em junho. O BC já rolou o equivalente a US$ 3,938 bilhões, ou cerca de 41% do lote total, que corresponde a US$ 9,656 bilhões.

    Ações da Copel sobem 3,8% após divulgação de balanço

    O principal índice da Bovespa subiu quase 1% nesta sexta-feira (15), apoiada no setor financeiro e nos papéis da Petrobras, com o mercado na expectativa pelo balanço trimestral da petroleira após o encerramento do pregão.

    O Ibovespa fechou em alta de 1,04%, a 57.248 pontos, e com ganho semanal de 0,17%. Neste pregão, o giro financeiro foi de R$ 6,34 bilhões.

    Operadores apontaram que a antecipação de investidores ao vencimento de opções sobre ações na segunda-feira contribuiu para fazer a Petrobras inverter perdas registradas pela manhã e fechar em alta, além da expectativa pelo balanço.As ações preferenciais da estatal fecharam em alta de 1,2% e as ordinárias ganharam 1,6%.

    Entre outros destaques da sessão estão as ações da Copel, que subiram 3,8% após a companhia paranaense divulgar que teve queda de 19% do lucro na comparação anual e recuo de 2,8% do Ebitda. Analistas do Citi afirmaram que tanto o lucro quanto o Ebitda ficaram acima da estimativa média do mercado, embora o Ebitda tenha vindo em linha com suas próprias previsões.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.