i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Inflação

Os dez alimentos que mais pesam no bolso do curitibano em 2015

O preço da alimentação em casa aumentou mais do que em restaurantes neste ano. Veja os produtos que mais subiram

  • PorSérgio Luis de Deus
  • 19/08/2015 16:46
 | Hugo Harada/Gazeta do Povo
| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Os números da inflação oficial acumulada até julho mostram que os preços da alimentação no domicílio subiram mais do que comer em restaurantes. Em Curitiba e região, segundo o IBGE, a diferença foi de mais de quatro pontos porcentuais: alta de 10,69% para a alimentação em casa, contra 6,54% da alimentação em restaurantes e lanchonetes.

Entre os alimentos mais impactados dentro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos últimos sete meses na capital paranaense, a cebola é disparada a campeã da alta de preços. O preço do produto subiu incríveis 233% entre janeiro e o mês passado. Como comparação, o segundo subitem mais pressionado pela inflação foi o tomate, com alta de “apenas” 52,34%.

Com o preço da cebola nas alturas, o item “tubérculos, raízes e legumes” assumiu o topo da inflação da alimentação em casa, com um IPCA acumulado em 2015 de 73,86% em Curitiba e região. Conheça outros itens que estão pesando na refeição e a respectiva inflação do período:

  • TUBERCÚLOS, RAÍZES E LEGUMES: 73,86% – Quem gosta de fazer sopa para o jantar está gastando mais em 2015. Além da cebola (233,04%) e do tomate (52,34%), a cenoura e a batata inglesa também ficaram mais caras, com aumento de 38,22% e 27,08%, respectivamente.
  • HORTALIÇAS E VERDURAS: 21,17% – Nem a salada se salvou da alta de preços. A alface subiu 31%, seguida do repolho (7,44%) e da couve (6,77%)
  • SAL E CONDIMENTOS: 14,60% – Outro tempero bastante popular entre donas de casa e chefes de cozinha pressionou o IPCA desse item. A inflação do alho acumulou 17,26% até julho, seguido por fermento (19,4%) e maionese (14,02%).
  • LEITE E DERIVADOS: 12,70% – O café da manhã também vem sofrendo os efeitos do descontrole de preços. O leite longa vida, por exemplo, ficou 15% mais caro neste ano. Na sequência vêm iogurte e bebidas lácteas (11,99%) e queijo (10,67%).
  • CARNES INDUSTRIALIZADAS: 10,90% – Este item reúne alimentos embutidos de modo geral. Os vilões foram a popular vina (salsicha) do cachorro-quente (19,80%), seguido do presunto (11,26%) e da mortadela (11,09%).
  • AVES E OVOS: 10,23% – Fritar um ovo está pesando mais no bolso dos moradores de Curitiba e região. O produto ficou 28,35% mais custoso em 2015. Já o frango em pedaços subiu 7,60%.
  • AÇÚCARES E DERIVADOS: 9,57% – Má notícia para quem gosta de doces de modo geral: os preços do chocolate, do achocolatado em pó e do sorvete encareceram todos na casa de 12%. Já o açúcar refinado está 8,72% mais “pesado”.
  • ÓLEOS E GORDURAS: 8,68% – O óleo de soja ficou 11,75% mais “salgado” em 2015, impactando dezenas de receitas culinárias que dependem de fritura. O mesmo vale para a margarina, que subiu 3,26%.
  • CARNES: 8,25% – Seja no churrasco ou no tradicional bife com fritas, consumir carne está abocanhando uma fatia maior da renda do curitibano. Até julho, a costela bovina é disparada a que ficou mais cara: 19,72%. A boa notícia é que o preço da carne suína caiu 5,36%.
  • FRUTAS: 7,77% – Populares na mesa dos brasileiros, a laranja pera, a banana prata e a maça subiram 14,0%, 8,21% e 7,31%, nesta ordem. Mas nenhuma destas altas foi páreo para a uva, que ficou 26,35% mais cara neste ano.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.