i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Empresas

Perdigão assume o controle da Batávia no Paraná

Ações da Parmalat foram vendidas por R$ 101 milhões, após dois anos de negociação

  • PorEduardo Biagini-Gazeta do Povo
  • 27/05/2006 09:16

Após dois anos de negociações, a Perdigão conseguiu concretizar a compra de 51% das ações que a Parmalat tinha na Batávia S/A, indústria de laticínios de Carambeí, na região dos Campos Gerais. O negócio foi fechado nesta sexta-feira, quando a assembléia de credores da Parmalat no Brasil aprovou a venda do grupo para o fundo de investimentos Latin America Equity Partners (Laep). O fundo, por sua vez, repassou as ações da Batávia para a Perdigão por R$ 101 milhões. No entanto, o negócio ainda precisa ser homologado pela 1.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, onde tramita o processo da Parmalat.

De acordo com Marcelo Bertoldi, advogado que representa a Cooperativa Central de Laticínios do Paraná Ltda. (CCLPL) e a Agromilk – que juntas detêm os 49% restantes das ações da Batávia – a venda do controle acionário só foi possível após um consenso entre estas duas empresas: ambas foram favoráveis à entrada da Perdigão no negócio e abriram mão das pendências jurídicas com a Parmalat.

Em fevereiro de 2004, uma liminar afastou a multinacional italiana da direção da indústria. "Trocamos uma acionista problemática por uma competente. As cooperativas estão satisfeitas com o negócio", disse Bertoldi.

Com o negócio, a Perdigão estreita ainda mais as relações com a indústria de Carambeí. Em 2000, a empresa catarinense comprou 51% do frigorífico da Batávia e, no ano seguinte, adquiriu o restante. Desde então, ela utiliza a marca Batavo sob licenciamento para a linha de produtos à base de carne. "Essa relação absolutamente transparente foi facilitadora para concretizar a venda", disse o diretor de desenvolvimento de negócios da Perdigão, Nelson Vas Hacklauer. O contrato também prevê que a Batávia continue usando a marca Pamalat nos produtos lácteos.

Leia mais sobre os projetos da Perdigão na Batávia no site da versão impressa da Gazeta do Povo (conteúdo exclusivo para assinantes)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.