Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Foto: Marcos Santos/ USP Imagens/Fotos Públicas
| Foto: Foto: Marcos Santos/ USP Imagens/Fotos Públicas

O governo anunciou nesta quinta-feira (22) um projeto de lei que flexibiliza as relações trabalhistas. Doze itens listados pelo governo poderão ser negociados entre patrões e trabalhadores caso a medida seja aprovada pelo Congresso. Entre os destaque estão a jornada diária de trabalho, que hoje é de 8 horas e poderia chegar a 12 horas, sendo que o limite semanal de 220 horas mensais teria de ser respeitado. Outra mudança proposta é a divisão das férias em até três períodos.

TRABALHO

JORNADA

A CLT prevê hoje como jornada padrão, sem acordo coletivo, 8 horas de trabalho diárias, somando 44 horas semanais. Com acordo, em alguns casos, como profissionais de segurança e saúde, a jornada pode se estender a 12 horas diárias com folga de 36 horas. O governo quer agora formalizar a possibilidade de jornadas negociadas de até 12 horas diárias – sendo 8 horas normais mais 4 horas extras -, desde que o limite semanal seja de 48 horas trabalhadas e 220 horas por mês (para meses com cinco semanas).

BANCO DE HORAS

As negociações sobre o banco de horas ficarão entre os trabalhadores e as empresas. Porém fica garantido o acréscimo de 50% no valor pago sobre a hora extra. Hoje a CLT prevê o máximo de 2 horas extras por dia.

INTERVALO

A CLT prevê intervalo obrigatório de 1 hora para jornada diária de 8 horas. O governo quer agora permitir que a duração desse intervalo seja negociada entre empresas e trabalhadores, com limite mínimo de 30 minutos.

TRABALHO REMOTO

As regras sobre o trabalho fora da sede da empresa deverão ser acordadas entre os trabalhadores e a própria companhia. Hoje diversos casos sobre o assunto vão parar na Justiça por falta de regulamentação na CLT.

REGISTRO PONTO

Hoje a CLT exige a presença de ponto manual, mecânico ou eletrônico para empresas com mais de 10 funcionários. O governo quer agora que a forma de registro e acompanhamento de ponto possa ser definida em acordo coletivo.

Saque total de contas inativas do FGTS deve beneficiar 10,2 milhões de trabalhadores

Não há limite de valor nem necessidade de comprovar pagamento de dívida; governo vai divulgar cronograma de saques para evitar corridas às agências

Leia a matéria completa
FÉRIAS

A CLT determina que o trabalhador tem direito a férias de 30 dias após 12 meses trabalhados. O fracionamento do período só é permitido em casos excepcionais, sendo que a divisão só pode ocorrer em dois períodos, um dos quais não pode ser inferior a 10 dias. Agora o governo quer formalizar o parcelamento das férias em até três vezes, com pagamento proporcional aos respectivos períodos, sendo que uma das frações deve corresponder a ao menos duas semanas de trabalho.

PAGAMENTOS

PLR

O acordo coletivo poderá definir as regras e metas para a Participação nos Lucros e Resultados, incluindo o parcelamento no limite dos prazos do balanço exigido, não sendo inferiores a duas parcelas.

DESLOCAMENTO

A jornada em deslocamento, quando bancada pela empresa, conta hora trabalhada e deve ser paga em dinheiro. Elas são pagas quando o trabalho acontece em local de difícil acesso, sem transporte público e com o empregador fornecendo o meio de locomoção. Hoje, mesmo quando os trabalhadores de uma determinada empresa optam por trocar o pagamento das horas por outros benefícios, a mudança é revertida na Justiça. A reforma dará poder de lei ao acordado.

REMUNERAÇÃO POR PRODUTIVIDADE

A falta de regulamentação sobre a remuneração por produtividade gera uma série de embates na Justiça do Trabalho. O governo quer agora garantir que o que for acordado entre trabalhadores e empresas sobre o tema seja mantido.

DIVERSOS

ACORDO COLETIVO

Hoje existe um embate para decidir o que vale quando um acordo coletivo está vencido. A Justiça do Trabalho havia decidido que seria o último. O STF acabou revisando a decisão. O governo quer agora que os trabalhadores e as empresas possam decidir por acordo a extensão de um acordo coletivo após o seu vencimento.

PSE

O governo quer que os trabalhadores e as empresas decidam juntos sobre a adesão da companhia no Programa de Seguro-Emprego (PSE) do governo federal, que permite a redução da jornada de trabalho e no salário em 30% sem que haja demissão.

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS*

O governo quer dar garantias que as regras negociadas entre trabalhadores e empresas nos planos de cargos e salários sejam obedecidas.

CONTINUA COMO ESTÁ

PAGAMENTO DO FGTS
13º SALÁRIO
LICENÇA-MATERNIDADE DE 120 DIAS
AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL
SEGURO-DESEMPREGO

*O governo havia recuado sobre a inclusão do plano de cargos e salários na reforma, mas voltou atrás e anunciou o item novamente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]