Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Tablets perdem disputa para celulares

tecnologia

Tablets perdem disputa para celulares

Enfrentando concorrência dos telefones de tela grande, aparelhos registram vendas fracas em todo o mundo

  • Rafael Waltrick
Nem mesmo a queda nos preços segura as vendas de tablets. | Jonathan Campos
Nem mesmo a queda nos preços segura as vendas de tablets. Jonathan Campos
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Com apenas cinco anos de existência, os tablets já começam a ter o futuro questionado por analistas e consumidores. A venda desses aparelhos teve uma queda brusca, de 20%, no primeiro trimestre deste ano no país e a previsão da consultoria especializada IDC Brasil é de que caiam 15% em 2015. Neste caso, não dá nem para culpar a crise econômica pela qual o país passa – no mundo, o número de tablets despachados pelas lojas diminuiu 6% no início do ano, em comparação com o mesmo período de 2014. As previsões de crescimento lá fora, antes de 5,2%, foram revisadas para 2,1%.

No Brasil, a falta de interesse pelo dispositivo ocorre mesmo com o preço caindo desde o lançamento: no primeiro trimestre, o valor médio de venda foi de R$ 525, praticamente um terço do preço visto há quatro anos. O fato de 70% dos aparelhos vendidos no período terem custado menos do que R$ 500 reforça a tese de consultores de que os produtos viraram alvo de crianças, menos preocupadas com qualidade e configurações de desempenho, e escolas. E só.

“O principal dilema dos tablets é a relação uso e preço. Hoje o produto atende mais nichos, como o educacional, e crianças. Porque o usuário comum, ao colocar lado a lado um tablet e um smartphone, que há muito tempo passou a ter telas grandes, sabe que o celular atenderá mais necessidades pelo mesmo preço”, avalia o especialista em produtos do site de pesquisa de preços Zoom Paulo Guedes.

Para o analista de pesquisas da IDC Brasil Pedro Hagge, a recente onda dos chamados phablets – os smartphones de tela grande –contribuiu de maneira decisiva para o que ele chama de “canibalização” do mercado de tablets. Hoje, praticamente todas as fabricantes – incluindo a Apple –possuem modelos de celulares com telas acima das 5 polegadas, podendo facilmente chegar a 6. O menor tablet da Apple, o iPad mini 3, tem 7,9 polegadas, enquanto a Samsung tem modelos com telas de 7.

Concorrência desleal

Assim, as “telonas” dos celulares passaram a facilitar a leitura de textos e a visualização de vídeos, atividades antes mais propícias aos tablets. Os smartphones têm ainda a vantagem de caberem no bolso e fazerem ligações. Para o analista da IDC, a alta do dólar, que gerou repasse de preços de até 17% para os tablets em relação ao quarto trimestre de 2014, prejudicou ainda mais o apelo dos dispositivos.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2015/08/12/Economia/Graficos/Vivo/tablets queda vendas.pdf

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE