110655

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Três falhas em projetos de avião que resultaram em desastres

Aviação

Três falhas em projetos de avião que resultaram em desastres

Os dois acidentes com o 737 Max 8 estão sendo investigados, mas ele entra na lista dos modelos que tiveram problemas nos primeiros meses de uso

  • Vandré Kramer
737 Max 8 da Boeing teve dois acidentes fatais em pouco mais de quatro meses | David Ryder/Bloomberg
737 Max 8 da Boeing teve dois acidentes fatais em pouco mais de quatro meses David Ryder/Bloomberg
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

As atenções do mundo da indústria da aeronáutica estão voltadas para o Boeing 737 Max 8, um dos modelos mais recentes da maior fabricante de aviões do mundo, que tem capacidade para transportar entre 170 e 210 passageiros e fez o primeiro voo comercial em 2017. Dois acidentes com o modelo, um em outubro, na Indonésia, e outro no domingo, na Etiópia, causaram 346 mortes. Os aviões tinham, no máximo, quatro meses de uso. 

Segundo o The New York Times, pelo menos 25 das 68 operadoras do avião interromperam as operações com o modelo, entre elas a brasileira Gol. Autoridades aeronáuticas da China, Malásia, Austrália, Indonésia, Omã, Cingapura, Mongólia, Marrocos, Reino Unido, França, Alemanha e Irlanda ordenaram a suspensão dos voos do avião. 

LEIA TAMBÉM: Gol suspende voos com modelo já matou 346 pessoas desde outubro

“É um modelo relevante para a aviação comercial”, destaca Arthur Siqueira, analista da GEO Capital. A Boeing já entregou cerca de 350 Boeings 737 MAX a 68 companhias em todo mundo e tem outros 4.600 encomendados para entrega nos próximos anos. “75% delas são da versão MAX 8, o mesmo modelo que caiu na Indonésia e na Etiópia”, diz o analista. 

O episódio com o 737 Max 8, com dois acidentes em tão curto espaço de tempo, é incomum na história da aviação comercial. Pelo menos outros três modelos, incluindo o Comet 1, o primeiro avião de passageiros a jato enfrentaram sérios problemas nos primeiros voos.

De Haviland Comet 1 

/ra/pequena/Pub/GP/p5/2019/03/12/Economia/Imagens/Cortadas/1434592815066-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Divulgação/BAE Systems

 O De Haviland Comet 1 foi o primeiro avião comercial de passageiros a entrar em operação. O primeiro voo de teste foi em 1949. Estreou comercialmente em maio de 1952. Uma série de seis acidentes - quatro deles fatais, com 110 mortes - nos dois primeiros anos de operação fez com que o projeto fosse questionado e autoridades aeronáuticas britânicas determinassem a interrupção das operações. A produção foi suspensa. 

 O projeto tinha uma série de deficiências, relacionadas à fadiga do metal. Os constantes ciclos de pressurização e despressurização acentuavam a pressão sobre as bordas de uma das antenas do avião e sobre as janelas da fuselagem, que eram quadradas. Com isso, o avião se rompia e explodia durante o voo. 

LEIA TAMBÉM: Reino Unido, França e mais 9 países suspendem voos do Boeing 737 MAX-8 após acidente na Etiópia

 O projeto do avião foi refeito. E em outubro de 1958, entrava em operação o Comet 4, uma versão remodelada e maior do avião. Mas o preço do pioneirismo foi muito caro para a De Haviland. Três semanas, a Boeing colocava em operação seu primeiro jato comercial de passageiros, o 707, um avião maior e mais novo, com capacidade para transportar entre 120 e 180 passageiros. O Comet transportava, no máximo, 101 

 Com a falha, a fabricante britânica perdeu espaço. Entre 1949 e 1967, foram produzidos 112 aviões. Só para comparar, foram fabricados 858 Boeings 707 até 1991. 

Lockheed Electra 

/ra/pequena/Pub/GP/p5/2019/03/12/Economia/Imagens/Cortadas/PSA_Electra,_circa_1960s-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Divulgação/SDASM

 Outro ícone da aviação a ser fortemente questionado foi o Lockheed Electra, conhecido no Brasil por operar a ponte aérea Rio-São Paulo até o início dos anos 90. Dois acidentes, que resultaram na desintegração dos aviões, entre setembro de 1959 e março de 1960, nos Estados Unidos, causaram 97 mortes. 

 “A confiança do público no avião desintegrou e houve uma espécie de coro que pedia que o avião fosse mantido no chão”, conta o escritor Robert Sterling no livro The Electra Story: The Dramatic History of Aviation’s Most Controversial Airliner (Endeavour Media). 

 As investigações envolveram a Lockheed e a Nasa. A estrutura das asas se rompia durante o voo, devido a um erro de projeto nas naceles, que abrigavam os motores. A empresa foi obrigada a reprojetá-las. Mas logo deixou de ser produzido. Entre 1957 e 1961, foram fabricadas 170 unidades.  

McDonnell Douglas DC-10 

/ra/pequena/Pub/GP/p5/2019/03/12/Economia/Imagens/Cortadas/Continental_Airlines_DC-10-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg

 O DC-10 foi a resposta da McDonnell Douglas ao lançamento do Boeing 747, em 1970. Os dois aviões inauguraram a era dos widebodies  (aviões de fuselagem larga, com dois corredores). O primeiro voo foi em agosto de 1970 e um ano depois, entrava em operação comercial. 

 Apesar de ter sido um sucesso de mercado, com a produção de 440 aeronaves, entre 1970 e 1989, o projeto apresentava uma deficiência, que resultou no pior acidente da história da aviação até então. 

 Um avião da companhia turca THY explodiu durante um voo entre Paris e Londres, causando 346 mortes em 3 de março de 1974. O motivo foi a falha no travamento de uma das portas do depósito de cargas. A porta abriu durante o voo, causando a descompressão do avião e o colapso da cabine de passageiros. O sistema hidráulico do avião foi atingido, tornado-o ingovernável. 

 Um problema similar tinha ocorrido um pouco mais de um ano antes, com um avião da American Airlines, que voava entre Detroit e Bufalo, nos Estados Unidos. Só que os problemas foram menores e o piloto conseguiu pousar com segurança em Detroit. 

 A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) determinou mudanças na trava das portas após o acidente com o avião turco. O problema não voltou a se repetir. 

 Mas, em 1979, um novo problema determinou que os DC-10 ficassem proibidos de voar durante cinco semanas nos Estados Unidos e em outros países. Outro avião da American Airlines caiu quando decolava do aeroporto de Chicago, matando 273 pessoas, devido à queda de um dos motores. A investigação constatou que houve um problema de manutenção.  

>>> READ IT ON WISE UP NEWS

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>