i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Financiamento

Doações que Harvard recebe equivalem a orçamento da USP

  • PorEstadão Conteúdo
  • 17/06/2019 14:34
Harvard Business School
Harvard Business School| Foto: Divulgação

A cultura da filantropia nos Estados Unidos, estimulada por incentivos fiscais, levou a um recorde de US$ 46,7 bilhões (R$ 182 bilhões) a universidades de graduação e pós-graduação no ano fiscal de 2018. Os dados são do Conselho para Avanço e Suporte à Educação e mostram o aumento, pelo 9º ano consecutivo, de doações a faculdades.

Leia também: Uma solução para as universidades: cobrar mensalidade de alunos formados

Do total, 26%, ou US$ 12,1 bilhões, vieram de ex-alunos. Ou, como são chamados nos corredores de universidades, os "alumni". Desde antes da graduação, os universitários são estimulados a participar ativamente da comunidade de "alumni" após a diplomação e contribuírem, com cifras, com sua alma mater. No site da Universidade Harvard, por exemplo, é fácil localizar a página com essas informações.

Só em doações, Harvard arrecadou em 2018 quase o orçamento da Universidade de São Paulo (USP) para 2019. Entre repasses do governo estadual, valores oriundos de recursos próprios e federais, a verba para 2019 da USP é de R$ 5,7 bilhões.

Harvard foi destino de 28% das doações a universidades dos EUA em 2018 e recebeu quantia perto de R$ 5,5 bilhões. Depois de Harvard, as maiores recebedoras são Stanford, Columbia, a Universidade da Califórnia em Los Angeles e em São Francisco e a Johns Hopkins, em Maryland.

As universidades contam ainda com os presentes maiores: doações de ex-alunos que darão nome a um novo prédio, por exemplo, a ser construído, ou financiarão bolsas. Uma contribuição de US$ 2 milhões pode ajudar a construir um novo centro esportivo. O tamanho da doação para ter uma sala ou prédio com seu nome depende do tamanho da universidade.

Bilionário filantropo

Nem só de ex-alunos vivem as faculdades - e os universitários. Em maio, rodou o mundo o vídeo do bilionário que surpreendeu uma turma de mais de 400 alunos ao anunciar que pagaria as dívidas estudantis de todos os formandos. Nos EUA, estima-se que 40% dos que concluem a faculdade precisam pagar algum empréstimo do tipo.

Robert F. Smith, empresário com fortuna estimada em mais de US$ 4 bilhões, promete pagar cerca de US$ 40 milhões de dívidas dos alunos da Universidade de Morehouse, em Atlanta, historicamente composta por alunos negros. Smith, também negro, já havia anunciado doação de US$ 1,5 milhão à universidade este ano, mesmo tendo se formado em outras instituições: Cornell e Columbia.

Leia também: Cobrança de mensalidade em universidades públicas diminuiria desigualdade social

Iniciativas no Brasil

A exemplo do que há nos Estados Unidos, iniciativas em universidades brasileiras convocam antigos estudantes para "adotar" alunos pobres, ajudando a bancar bolsas de permanência.

Quando fala sobre a família que deixou no interior de Goiás, a voz sai até trêmula. "Estou carregando o sonho de outras pessoas que não conseguiram estudar", diz Vanessa Paim, de 25 anos.

Foi depois de muita insistência que a jovem pisou na Universidade de São Paulo (USP) pela primeira vez no ano passado para cursar Direito. A sensação de estar em uma das faculdades mais prestigiadas do país era uma mistura de euforia e receio. "Me senti um peixe fora d’água. Estava junto de filhos de juízes", lembra.

Como muitos de seus colegas, Vanessa queria explorar a universidade, fazer cursos de idiomas e se candidatar para intercâmbio fora do país. Logo surgiram dificuldades de moradia, transporte e falta de dinheiro até para os livros.

"Por várias vezes, desanimei. Tem hora que dá vontade de jogar as coisas para o alto", diz a jovem, de família de origem negra e que desde a infância estudou em escolas públicas e particulares com auxílio. Uma bolsa para apoiar seus estudos - paga por meio de doações de ex-alunos - deu fôlego aos sonhos. "Nunca pensei que alguém pudesse formular uma coisa dessas. Achei lindo."

Leia também: Uma solução para as universidades: cobrar mensalidade de alunos formados

Estudantes selecionados pelo projeto Adote um Aluno, da Faculdade de Direito da USP, recebem R$ 600 por mês, usados para custear materiais, inscrições em congressos e ingressos para atividades culturais. "É para ele se inserir neste ambiente que está sendo convidado a frequentar", diz o diretor da faculdade, Floriano de Azevedo Marques Neto, idealizador da proposta, lançada em 2018. Ex-alunos podem arcar com valores de R$ 50 a R$ 1 mil mensais.

O desafio, diz Marques Neto, é criar uma cultura de doação na universidade e blindar a desconfiança sobre o destino dos recursos. Contra isso, um conselho fiscal, formado por um professor e advogados, é responsável por aprovar os gastos do projeto e prestar contas.

Ex-aluno no Largo de São Francisco, Raphael Soré, de 31 anos, não conhece Vanessa, mas sua contribuição de R$ 300 mensais compôs a bolsa da jovem e de mais nove colegas em 2018. Este ano, o projeto expandiu para 15 o total de auxílios, após arrecadar R$ 72 mil. "Elas devem ter a oportunidade não só de entrar, mas de viver a experiência da faculdade por completo", diz Soré, formado há nove anos. "Havia uma pecha de curso elitista - e era verdade. As pessoas que traziam diversidade eram exceções."

Mudanças recentes no vestibular da Fundação Getúlio Vargas (FGV) também trouxeram novos rostos à faculdade particular. Incomodados com o malabarismo que estudantes pobres tinham de fazer para concluir o curso, ex-alunos, pais e professores se mobilizaram para criar um fundo para bolsas de permanência.

O Endowment Direito GV já juntou R$ 3 milhões - entre doações volumosas e outras simbólicas, como os R$ 15 pagos por uma secretária, da própria FGV, que apostou no projeto. Os rendimentos se convertem em pagamentos a estudantes e há até verba para apoio psicológico em caso de dificuldades de adaptação.

Com R$ 1 mil mensais que recebe, Stella Ferreira dos Santos, de 20 anos, se dedica ao curso integral na FGV e também encontra tempo para colocar jovens como ela em contato com a faculdade. "Participei do cursinho popular, em que os próprios alunos dão aulas, para que outros, de baixa renda, tenham oportunidade de entrar na FGV", diz ela.

Nos moldes da FGV e de outras experiências no câmpus, a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP também criou, há dois anos, com apoio de ex-alunos, um fundo para apoiar ações de ensino, pesquisa e extensão, entre elas bolsas de permanência.

Com cotas pequenas de ajuda, o fundo da FEA mobiliza até alunos de graduação para que se tornem doadores habituais depois de formados. A poupança chegou a R$ 700 mil - a expectativa é alcançar mais antes de começar a usar os rendimentos.

Na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), doações de ex-alunos ainda engatinham, mas já ajudaram a pagar mensalidades de estudantes de diferentes cursos. Por lá, o critério de mérito acadêmico é associado à renda. "Consideramos se é arrimo de família, doenças graves (na família) e desemprego. A ideia é que o aluno tome um fôlego", diz Ana Paula Maciel, consultora jurídica do fundo Ser PUC.

"É frustrante para a instituição que o aluno, que está indo bem, abandone o curso por não poder pagar", diz Ana Paula. Recém-formada pela PUC, a advogada Teresa Ciardullo, de 26 anos, recebeu uma carta, com o convite para doar. Hoje, ela contribui com R$ 300 por semestre, que ajudam a custear estudos de alunos como Vitor Dal Poggetto, que quer ser médico (mais nesta pág.). "Dá R$ 50 por mês. Em São Paulo, o que é isso? Um almoço, praticamente."

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Marcelo Martins

    ± 0 minutos

    è difícil doar para universidades e saber que o seu dinheiro vai para sustentar esquerdinhos debilóides e comunistas

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Diz

      ± 14 horas

      Falta reconhecimento entre universidades e sociedade, o aluno se forma e perde totalmente o vínculo com quem lhe deu ferramentas para a vida. Com os pais é muito parecido, muitos nem olham para trás.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • B

        Bruno Abrahão de Barros

        ± 15 horas

        Faltou citar o primeiro (e provavelmente maior) endowment do Brasil, o Amigos da Poli, da Escola Politécnica da USP, que essa semana chegou aos 25 milhões de reais de patrimônio.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.