Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | MEC/Divulgação
| Foto: MEC/Divulgação

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tornou sem efeito nesta quinta-feira, 17, a portaria publicada na véspera que indicou o doutor em Economia Murilo Resende Ferreira à diretoria do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) responsável pela gestão do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Na mesma edição do Diário Oficial da União que suspende a decisão, porém, Resende Ferreira foi nomeado pelo ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez ao cargo de assessor da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação.

Leia também: MEC apoiará uso do Exército para gestão de escolas municipais

Em nota o Ministério da Educação informou que Murilo Resende Ferreira “atuará em grupo especial de trabalho no âmbito do INEP que, entre determinadas atribuições, ajudará no acompanhamento, análise e direcionamento do ENEM. A decisão foi tomada pelo Ministro da Educação e pelo Presidente do INEP para que o novo assessor especial consiga desenvolver o trabalho de forma ampla e substantiva”.

A indicação de Ferreira para o cargo provocou controvérsia desde que foi anunciada, no início do ano. Ligado ao guru bolsonarista Olavo de Carvalho, o economista não tem experiência com educação básica, foi acusado de plagiar um texto acadêmico e teve posições homofóbicas reveladas em antigas publicações em redes sociais. Ferreira também já chamou professores de “manipuladores” e de “gente que não quer estudar”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]