Eduardo Pimentel
O vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel (PSD).| Foto: Michel Willian/ Arquivo/ Gazeta do Povo

Administrador de empresas, com 35 anos de idade, o vice-prefeito reeleito de Curitiba, Eduardo Pimentel Slaviero é um claro representante da renovação da política paranaense. Jovem, mas de família tradicional no cenário político do estado: é neto do ex-governador Paulo Pimentel e irmão do atual presidente da Companhia Paranaense de Energia (Copel), Daniel Pìmentel Slaviero, Eduardo é um quadro cobiçado pelos partidos do estado, visando eleições futuras.

Receba as notícias do Paraná no seu whatsapp

Formado em administração de empresas pela Universidade Positivo, com especialização em cidades inteligentes, pela Fundação Getúlio Vargas, Pimentel entrou para a política há 10 anos, quando se filiou ao PSDB e foi candidato a deputado estadual. Não foi eleito, mas foi nomeado pelo então governador Beto Richa para a diretoria da Central de Abastecimento do Paraná S.A. (Ceasa).

Seguiu no governo do Estado até 16, quando foi indicado pelo PSDB como candidato a vice-prefeito na chapa de Rafael Greca, então candidato pelo PMN. Eleito, assumiu, também, a Secretaria Municipal de Obras Públicas, pasta que comandou por dois anos, até abrir mão do cargo para permitir que seu irmão Daniel, assumisse a presidência da Copel, por conta da incompatibilidade prevista na legislação.

Neste ano, Pimentel fez uma movimentação decisiva para seu futuro político e importante para a vitória de sua chapa com Rafael Greca no primeiro turno. Trocou o PSDB pelo PSD do governador Carlos Massa Ratinho Junior. Com essa troca de partido, o vice-prefeito acabou garantindo o apoio do governador a Greca e tirou da disputa Ney Leprevost (PSD), que aparecia como principal adversário do prefeito no período pré-campanha.

“Foi uma tacada arriscada. Fiz o movimento sem nenhum acerto prévio. O governador foi muito ético. Deixou muito claro, tanto para mim quanto para o deputado Ney Leprevost, que ele não interferiria nas nossas movimentações, não determinaria nenhuma situação antecipadamente e que as construções da aliança ou da candidatura própria dependeriam do quadro político no momento certo e das articulações até lá”, disse em entrevista à Gazeta do Povo. “Com muito respeito ao Ney e sabendo do risco que eu corria de não ser candidato a vice caso se viabilizasse a candidatura dele, eu vim trabalhando, mostrando a tese de que para Curitiba era bom a paz política, que a pandemia mostrou que a boa relação entre estado e prefeitura foi fundamental para o enfrentamento da pandemia. Fui mostrando que o melhor caminho era manter essa parceria. No final, o governador fez o pedido ao deputado Ney, que teve uma sensibilidade muito grande em aceitar o pedido e está sendo um ótimo secretário”, concluiu.

Sobre a herança política que carrega do avô, o vice-prefeito reeleito disse encarar com tranquilidade. “Tenho carinho e respeito tremendo ao fato de ser neto de Paulo Pimentel, que foi um grande governador, que deixou legado importante para o estado. Isso me alegra e me dá grande responsabilidade. Mas, independentemente de ser neto de Paulo Pimentel, eu sou Eduardo Pimentel e estou construindo a minha própria história. Sou formado, pós-graduado, fiz especialização em cidades inteligentes na Fundação Getúlio Vargas, fui secretário de obras, fui diretor da Ceasa do Paraná, vice-prefeito por quatro anos. Estou me preparando e construindo minha história. Estou animado, acredito na boa política e acredito que Curitiba precisa de boas pessoas no comando: o prefeito Rafael Greca agora e outras pessoas que estejam comprometidas com a cidade no futuro. E eu estou comprometido com a cidade”.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]