É revoltante assistir aos jogos do Campeonato Brasileiro e dar maior importância às arbitragens, deixando em segundo plano o que jogaram as equipes. É incrível a manipulação de resultados pela incompetência de árbitros escalados pela CBF. Com poucas exceções, um bando de incapazes para o exercício da missão. Até gol com três impedimentos no mesmo lance já foi validado.

Os erros são generalizados. Todos, em algum momento, já foram prejudicados. É realmente falta de preparo da maioria dos juízes que apitam jogos do Brasileiro.

No jogo do Atlético contra o Joinville foi assinalado um pênalti inexistente em Deivid. E em lance faltoso fora da área foi marcado pênalti para o Joinville. Quando estava tudo pronto para a execução da penalidade, o juiz, alertado por um dos auxiliares, transformou o pênalti em falta nas proximidades da grande área, no local exato em que existiu a infração.

Não adianta a gritaria de dirigentes e analistas. Já tivemos um episódio em que o diretor de árbitros da CBF, Ivens Mendes, então candidato a deputado, foi flagrado pela Globo conversando com Mario Celso Petraglia, presidente do Atlético, sobre dinheiro para colaborar com o fundo de campanha eleitoral. Julgado, Petraglia foi condenado e banido do futebol. Ao recorrer, foi punido com um ano de suspensão, que foi cumprida.

Sem vergonha na cara, um juiz de São Paulo confessou que influenciou, porque quis, em vários resultados, causando prejuízos a muitos clubes. O futebol deveria ser um jogo limpo para não estragar o bom humor dos torcedores, carimbados de otários pelos mal-intencionados.

É uma das razões do esvazia­mento dos estádios. É lamentável. Não adianta mudar o comando da arbitragem brasileira e os árbitros serem sempre os mesmos. Falta energia da CBF e vontade de minimizar as desgraçadas arbitragens, começando pela alteração da lei que manda que os apitadores sejam indicados por sorteio e não pelo critério de qualidade e honestidade.

Atlético pode chegar

Mesmo empatando com o Joinville, o Atlético tem chances concretas de chegar ao G4. Está somente três pontos atrás do quarto colocado. A situação do Paraná é mais complicada, mesmo empatando com o Guarani e mostrando em alguns momentos um bom futebol. Os desafios estão à mostra. Resta esperar muita luta dos jogadores do Coritiba, Atlético e Paraná para que o quadro, que já é doloroso, não piore sem controle.

Pausa

O colunista tira uns dias de descanso e volta a ocupar este espaço no dia 13/9.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]