i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rodrigo França

Guerra declarada

  • Por@rodrigoRF1
  • 24/08/2014 21:06

Depois de correr por duas horas com os velozes carros da F1 a mais de 300 km/h, os pilotos têm outro desafio minutos depois de sair do cockpit: encarar perguntas de dezenas de jornalistas dos quatro cantos do mundo. Normalmente, estas entrevistas já são bem concorridas, mas aqui em Spa-Francorchamps o que chamou a atenção foi que a mira da mídia não estava no cada vez mais impressionante Daniel Ricciardo, da Red Bull, vencedor do GP.

A marcação cerrada estava no alemão Nico Rosberg, o segundo, que recebeu o dobro de perguntas na entrevista oficial. Todas eram formuladas de uma só maneira: como será o clima na equipe Mercedes após o incidente na segunda volta, quando ele e Lewis Hamilton se chocaram?

Quem mais "bateu forte", claro, foi a imprensa inglesa, uma tradição de nossos colegas do Reino Unido, que fazem isso sempre com os rivais dos pilotos britânicos: Sebastian Vettel, Fernando Alonso, Felipe Massa sofreram esta "inquisição" nos últimos anos.

Pelo tom das perguntas e o jeito como Hamilton falou em Spa, a Mercedes terá de trabalhar forte para conter o clima ruim. No GP anterior, na Hungria, as coisas eram mais "simples", com pedidos via rádio, reuniões externas etc. Agora o acidente foi visto por todos e o julgamento, muitas vezes, é parcial justamente por haver torcida – caso dos britânicos, que, junto com outros fãs, vaiaram Rosberg no pódio.

Em minha visão, foi um típico caso de "acidente de corrida", tanto que a FIA, a quem já critiquei pelo rigor, desta vez não aplicou punição. O problema é que, quando um "acidente de corrida" acontece entre dois companheiros de equipe, a situação complica. Quando estes dois são os únicos com chance de título, pior ainda.

Após a corrida, fui ao motorhome da Mercedes atrás de depoimentos de Toto Wolff. Poucas vezes vi uma entrevista tão disputada após um GP! Não por menos. Todos querem saber se a política de liberdade total para os pilotos vai mudar a partir de Monza. O discurso, por enquanto, é de contenção de crise. "Vamos analisar, conversar internamente, etc". Mas este colunista aposta em uma mudança de postura, sim. Por parte dos pilotos e da própria equipe. Esta hora ia chegar: afinal, há apenas um campeão por ano. E, assim, a guerra finalmente está declarada!

Dê sua opiniãoO que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.