No fim de semana, tivemos mais dois pênaltis muito mal marcados, um a favor e outro contra o Grêmio, na partida diante do Atlético. Os árbitros não escolhem lado para errar. Os dois pênaltis foram provocados por simulações de jogadores.

Há, no futebol e em tantas coisas que acontecem no mundo, muitos raciocínios e olhares viciados, equivocados, que se tornam habituais e que não são contestados. Passam a ser verdades.

Por causa desses vícios e de falta de conhecimento, às vezes, até por conhecimento demais, as análises sobre o jogo de futebol são quase sempre feitas a partir da conduta de treinadores.

Enquanto isso, o rio corre, independentemente da vontade e da atuação do ser humano. A bola que bate em alguém, muda sua trajetória e cai para o atacante livre fazer o gol, e tantos outros lances imprevisíveis que acontecem em uma partida, também contribuem para o resultado final.

Não há nenhum mistério no acaso. São fatos corriqueiros, que quase sempre ocorrem, mas que nunca sabemos onde e quando vão ocorrer.

Isso não significa que os técnicos não sejam muito importantes. Uns são mais que os outros, como José Mourinho e Muricy.

Da mesma forma, quando critico os Zé-regrinhas, com ironia, mas sem querer desrespeitá-los, que, com as regras, querem controlar o mundo e definir tudo o que ocorre em um jogo, não desmereço a importância que têm as regras em nossas vidas. Sem regras, o mundo seria um caos. Critico o exagero.

A televisão criou um novo futebol, o virtual. É baseado nisso que comentaristas falam se foi pênalti ou não, além de outras análises. É um raciocínio e um olhar viciado. Desaprendemos a ver o futebol real.

"O excesso de imagens criou uma espécie de cegueira geral" (Jean-Pierre Gorin, cineasta, em entrevista à Folha de S. Paulo).

Basta a tevê mostrar um defensor com a mão nas costas do atacante, para terem certeza de que houve um empurrão e que foi pênalti, como se na disputa pela bola fosse possível uma parte do corpo não tocar no adversário.

Impressiona-me como parte da imprensa utiliza sempre os mesmos argumentos, conceitos e chavões para explicar situações bem diferentes.

O futebol no mundo deveria ser interrompido em alguns períodos para as pessoas refletirem, desconstruírem muitos de seus conceitos, perceberem as besteiras que disseram e que fizeram, para daí construírem novas ma­­neiras de ver a vida e o futebol.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]