|
| Foto:

"Os brasileiros amam odiar a Argentina, enquanto que os argentinos odeiam amar o Brasil". A frase que tenta resumir a intrincada trama de sentimentos mútuos entre os dois lados da fronteira é do acadêmico argentino Pablo Alabarces, da Universidade de Buenos Aires (UBA), que realizou com o brasileiro Ronaldo Helal (professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro) um divertido e profundo debate sobre essa relação futebolística sui generis, que conta com mais mitos do que fatos.

Segundo Helal, "qualquer rivalidade contém uma dose de admiração e de inveja. Somente rivalizamos com alguém que tem algo que desejamos possuir ou superar". O sociólogo carioca até recorda que a "Ilíada" de Homero está repleta de trechos que retratam a admiração mútua entre os soldados gregos e troianos (e entre os heróis Aquiles e Heitor).

Esta complexa relação bilateral conta até com um touch pontifício (e, talvez, até beatífico): em meados de 2013, durante sua primeira viagem internacional (coincidentemente, ao Brasil), o papa Francisco (torcedor frenético do clube portenho San Lorenzo) brincou com jornalistas sobre os cardeais brasileiros que também haviam sido candidatos no conclave de março desse ano e que foram deslocados por ele, um argentino: "Deus já é brasileiro...e vocês queriam também um papa brasileiro?"

Mais além do gracejo do santo padre, nas últimas cinco décadas essa relação entre os dois lados da fronteira gerou grande polêmica, lendas urbanas, suscitou as mais variadas teorias, propiciou lucrativas piadas para as agências de publicidade do Brasil (mas não na Argentina, onde quase inexistem piadas sobre brasileiros), além de fomentar setores chauvinistas-nacionalistas em ambos países. E, ocasionalmente, cenas de outro esporte – pugilato – entre torcedores.

Mas, porque disse "cinco décadas" lá em cima? É que o Brasil só foi o principal rival da Argentina por um certo período. Desde a primeira década do século 20 até os anos 60, o rival comme il faut da Argentina era o vizinho Uruguai. No final dos 60, com certa baixa do futebol uruguaio, o Brasil tornou-se o principal inimigo da Argentina nos gramados. Mas, esta pole position durou pouco. Em 1982 as tropas do ditador Leopoldo Fortunato Galtieri desembarcaram nas gélidas e áridas ilhas Malvinas, dando início à guerra com a Grã-Bretanha.

A derrota argentina no conflito bélico suscitou uma onda anti-inglesa sem precedentes em Buenos Aires. E, como costuma acontecer, os sentimentos nacionalistas transferiram-se ao futebol. Desta forma, desde 1982 a Inglaterra é o principal rival nos corações e mentes dos argentinos em tempos de Copa. O Brasil, evidentemente, está em segundo lugar. Próximo, mas segundo.

Quando comento isso com meus amigos em Londrina e Curitiba, sinto um ar de frustração. "Mas como, eles [os argentinos] não nos odeiam da mesma forma que nós os detestamos?" me perguntaram várias vezes em um peculiar tom de "ódio não-correspondido". Essas coisas podem ser traumáticas para nós, brasileiros.

O sonho dos argentinos seria o de derrotar o Brasil em uma semifinal. E, na sequência, derrotar a Inglaterra na final. Não é à toa que entre os gols mais recordados – e saboreados – pelos argentinos não há nenhum gol contra o Brasil. No entanto, os dois gols que são reverenciados são os feitos contra a Inglaterra na Copa de 1986 no México. Os dois feitos por Diego Armando Maradona. Um, heterodoxo, com a mão. O outro, convencional, como corresponde, com o membro correto. O pé, que fique bem claro.

A historiadora Emma Cibotti, autora do livro Queridos inimigos, me comentou há poucos anos a expressão popular "contra os ingleses é melhor". Cibotti também recordou a desafiante frase sempre cantada pela torcida argentina, quando salta nas arquibancadas ou nas praças para estimular a seleção: "quem não pula é um inglês".

E esta frase é gritada mesmo que o jogo em questão não seja contra a Inglaterra. Não existia, até o momento de publicação deste artigo, a expressão "quem não pula é brasileiro".

Apesar das rivalidades, brasileiros e argentinos foram campeões do mundo pela primeira vez, juntos, em Roma. Isso ocorreu em 1934, na Copa da Itália, quando quatro argentinos e um brasileiro (Amphilóquio Guarisi Marques, que italianizou seu nome para 'Anfilogino Guarisi') que integravam a seleção italiana ganharam a Copa Jules Rimet. Sinal de que brasileiros argentinos também podem ser vencedores juntos.

Mais detalhes sobre isso – e outros assuntos do futebol argentino e seus vínculos com o Brasil. – estão no livro Os Hermanos e nós, que eu e o Guga Chacra escrevemos.

Ariel Palacios é correspondente de O Estado de S.Paulo e Globo News em Buenos Aires, co-autor de "Os Hermanos e nós"

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]