Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ricardo Conceição comemora o gol que deu a vitória ao Tricolor | Gilberto Abelha/ Jornal de Londrina
Ricardo Conceição comemora o gol que deu a vitória ao Tricolor| Foto: Gilberto Abelha/ Jornal de Londrina

Prata da casa

Técnico pede à torcida paciência com jovem dupla de atacantes

Com a confiança do técnico Toninho Cecílio desde a vitória sobre o Paranavaí, no encerramento do primeiro turno, os pratas da casa Júlio César e Carlinhos foram defendidos pelo treinador após a vitória do Paraná sobre o Nacional. O resultado modesto não incomodou o técnico, que pediu paciência da torcida com os jovens atacantes.

"Eles têm muito potencial na jogada individual, na movimentação, mas são jovens e em algum momento não vão ter regularidade. Isso é normal e eu estou gostando muito do que eles estão fazendo", afirmou o técnico. Na 11ª rodada, tanto Carlinhos quanto Júlio César agradaram ao treinador. O primeiro marcou gol e o segundo deu assistência para que Welington abrisse o placar diante do Vermelhinho. Em Rolândia, não repetiram o bom rendimento.

A confiança do técnico é justificada pela política de recrutar cada vez mais jovens das categorias de base e incorporá-los ao elenco profissional do Paraná. Na Série B do ano passado, o meia Luisinho e o zagueiro Alex Alves — formados pela base tricolor — foram os principais destaques do time. "Temos bons exemplos, como o do Luisinho, que fez uma ótima Série B. Então, temos certeza que vai dar certo", argumentou Cecílio. Desde o início da temporada, Luisinho vem sendo criticado pela torcida e perdeu espaço no time para Aymen.

Ao contrário da largada arrasadora no Campeonato Paranaense, quando venceu o Nacional por 4 a 0 na Vila Ca­­panema, o Paraná teve um início de returno tímido. Em Rolândia, o volante Ricardo Conceição marcou o único gol do Tricolor sobre o lanterna do torneio. O magro triunfo, porém, assinou a primeira vitória do Tricolor longe da capital. Ainda que modesto, o resulta­­do de ontem representa a possível redenção dos erros cometidos pelo grupo paranista na primeira volta do Estadual.

Após surgir como um dos favoritos ao título do primeiro turno, o time teve de se contentar com a terceira colocação na tabela. Culpa, principalmente, da perda de pontos importantes no interior do estado, onde ainda não havia vencido. Só nas 11 primeiras rodadas, foram cinco empates — três deles na estrada. Resultados que nem a invencibilidade na Vila Capanema e nos clássicos conseguiu equilibrar.

"Na preleção de hoje [ontem], eu disse que a gente precisava corrigir a quantidade de pontos que perdemos no interior. Se estamos pensando em título, temos de pensar em jo­­gos como esse [contra o Nacional] como sendo importantes", defendeu o técnico Toninho Cecílio, que elogiou o desempenho dos times de fora da capital. "As equipes do interior são bem montadas, não tem jogo fácil", justificou.

Para o técnico, o ataque ainda preocupa e a rotatividade de atletas no setor impede um desempenho mais seguro. Prova disso é a dificuldade sentida pelo time durante os 90 minutos de jogo em Rolândia, em especial no primeiro tempo, quando o Nacional tinha mais posse de bola e desperdiçou boas chances de abrir o placar. Depois de escalar um trio de atacantes, o treinador voltou atrás. Júlio César, Carlinhos e Reinaldo foram substituídos na etapa final e evidenciaram o ponto frágil do time diante do lanterna, além de trazerem à tona as justificativas para a vitória magra – com gol de um volante.

"Precisamos melhorar o ataque, a própria atitude de segurar a bola com mais gana, choque. Isso não é crítica, mas estamos sentindo que falta um pouco mais", afirmou Cecílio, ao comparar o setor à defesa e ao meio de campo. "Do meio pra trás, a gente já encontrou um jeito de jogar", defendeu.

A luta do time paranista, segundo Cecílio, é dupla. Além de corrigir os problemas dentro de campo, o técnico reafirma a necessidade do grupo em se considerar novamente na disputa pelo título do Paranaense. "Nós precisamos nos fortalecer mentalmente. Saber que às vezes não dá pra fazer dois, três gols. É entrar na briga com força e se manter nela até a última rodada", destacou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]