Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Futebol
  4. Prodígio, curitibano Pipe teve sonho de ser técnico interrompido no acidente

TRAGÉDIA NA COLÔMBIA

Prodígio, curitibano Pipe teve sonho de ser técnico interrompido no acidente

Luiz Felipe Grohs, o Pipe, era auxiliar e tinha total confiança de Caio Júnior , mesmo tendo apenas 25 anos.

  • Julio Filho
Luiz Felipe Grohs, o Pipe, ao lado de Caio Junior. Dez anos de trabalhos juntos. | Divulgação/Chapecoense
Luiz Felipe Grohs, o Pipe, ao lado de Caio Junior. Dez anos de trabalhos juntos. Divulgação/Chapecoense
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Aos 15 anos de idade, o curitibano Luiz Felipe Grohs, o Pipe, traçou um objetivo de vida: virar técnico profissional de futebol. Decisão precoce, reflexo do amor irrestrito do jovem pelo esporte — ele havia acabado de ser dispensado das categorias de base do Coritiba, seu clube de coração.

Dez anos depois, em 2016, Pipe caminhava a passos largos rumo ao sonho imaginado ainda menino. A trajetória foi interrompida. Auxiliar-técnico de Caio Júnior, o curitibano foi uma das 71 vítimas fatais do desastre aéreo envolvendo a equipe da Chapecoense que viajava para Medellín, na Colômbia, para a disputa do jogo de ida da final da Copa Sul-Americana.

“A vida dele era futebol. Começou jogando futsal no Santa Maria, onde estudou a vida inteira, jogou dois anos pelo Clube Curitibano e chegou a treinar na base do Coxa até os 15 anos”, relembra Luiz Mauro Grohs, 28 anos, irmão de Pipe.

O caminho entre o sonho inicial de ser jogador e o projeto de se tornar treinador foi impulsionado por uma sólida amizade: Pipe era muito próximo de Matheus Saroli, filho de Caio Júnior.

Em 2006, quando o técnico comandava o Paraná rumo à histórica classificação para a Copa Libertadores, Pipe acompanhou de perto a concretização do feito. “Ele viveu muito aquela conquista. Frequentava estádio com o filho do Caio e eles viviam a vida do Caio: vestiário, preleção, jogo”, conta Luiz Mauro.

Foi então que começou a paixão de Pipe pela função de analista de desempenho, algo ainda raro nos clubes do Brasil naquela época. O jovem virou braço direito de Caio Júnior. Fez estágios com o técnico no Palmeiras, em 2007; no Flamengo, em 2008; e no Botafogo, em 2011. Em 2012, passou pelas categorias de base do Coritiba. Em 2013, recebeu o convite de Caio para trabalhar com ele no Vitória.

De lá, Pipe acompanhou o técnico durante duas temporadas no Al-Shabab, dos Emirados Árabes, época em que morou em Dubai. Na volta do treinador para o país, ele veio junto para a Chapecoense. De analista de desempenho, entretanto, já havia virado auxiliar-técnico de Caio, ainda aos 25 anos de idade.

“Ele era o braço-direito do Caio. Era no Pipe que o Caio confiava muito. Posso dizer, sem arrogância nenhuma: o meu irmão era uma pessoa exemplar, profissionalmente muito bom, sempre querendo ver os amigos e familiares o tempo todo”, diz Luiz Mauro. “Minha mãe brincava que, quando ele voltava para Curitiba, vivia três anos em três dias, pois queria ver todos que conhecia”.

Serviço: o velório de Luiz Felipe “Pipe” Grohs acontecerá no domingo (4), a partir das 8h, no Cemitério Iguaçu, em Curitiba. O sepultamento deve acontecer às 16 horas.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE