i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Viúva ainda espera resposta da polícia para morte do ídolo atleticano Washington

Seis meses após o falecimento do atacante do Casal 20 de Atlético e Fluminense, Polícia Civil ainda não concluiu o inquérito do caso

  • PorAndré Pugliesi
  • 15/11/2014 21:01
Washington recebe homenagem da torcida do Fluminense em 2009: polícia ainda não concluiu a causa da morte do ex-atacante | Carlos Moraes / Agência O Dia
Washington recebe homenagem da torcida do Fluminense em 2009: polícia ainda não concluiu a causa da morte do ex-atacante| Foto: Carlos Moraes / Agência O Dia

Viúva de Washington, Marilis Grande ainda aguarda o desfecho da investigação sobre a morte do ex-atacante do Atlético e do Fluminense, em maio deste ano. O camisa 9 que passou pela seleção brasileira sofria de esclerose lateral amiotrófica e foi encontrado morto, aos 57 anos, com o aparelho respiratório fora da posição correta.

"A polícia me informou nesta semana que o inquérito ainda está aberto", diz Marilis, que foi casada com o ex-jogador por 15 anos. Na oportunidade, o delegado responsável, Fabio Amaro, tratou da possibilidade de negligência do enfermeiro que cuidava de Washington.

Destaque do terceiro lugar do Furacão no Nacional de 1983, o baiano ganhou notoriedade nacional pela dupla formada na Baixada com o meia Assis, apelidada de Casal 20. Assis também morreu este ano, em julho, por causa de problemas renais.

"Vivemos dias muito complicados financeiramente, por causa do tratamento do Washington. Tentamos vender um apartamento até. Por sorte, o Atlético ajudava pagando o plano de saúde dele", relembra Marilis. O Tricolor das Laranjeiras também destinou parte da renda de um jogo em 2009 para ajudar o ex-atleta. O dinheiro serviu para adaptar a casa às novas necessidade decorrentes da doença que limitava os movimentos.

A morte do ex-Colorado e Pinheiros Marinho, aos 63 anos, foi causada por um câncer na coluna, no início deste mês. Para realizar o tratamento, o ex-meia contou com o suporte de alguns amigos, como o também ex-jogador do Colorado Chiquito.

"A gente tentou dar algum conforto pra ele, graças ao apoio de várias outras pessoas. Foram momentos tristes", recorda o ex-lateral-direito Chiquito.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.