FICHA TÉCNICA: Confira como foi o lance a lance da partida

Com golaço Kelvin, o Paraná estancou a crise e praticamente selou a permanência na Série B do Campeonato Brasileiro. A vitória por 1 a 0 diante do América, nesta terça-feira, na Vila Capanema, veio depois de um fim de semana turbulento, marcado por derrota em casa para o Bahia na última sexta, declarações polêmicas do goleiro Juninho e dirigentes, além do fraco futebol e dos protestos da torcida.

Confira a classificação da Série B.

Depois do triunfo, o Tricolor encara outro América, o de Natal, no Rio Grande do Norte, na sexta-feira, às 21h. Mesmo horário que América-MG recebe Guaratiguentá na Arena no Jacaré.

Volta por cima

Depois do fim de semana conturbado, com declarações fortes do goleiro Juninho e do assessor de futebol Paulo César Silva, o Paraná conseguiu reverter a crise em bom futebol. A aguardada dupla Kelvin e Rodrigo Pimpão finalmente começou jogando uma partida. Tudo funcionou como queria o técnico Roberto Cavalo: marcação forte em cima de um adevrsário qualificado, na briga por uma vaga na elite, e velocidade nos contra-ataques.

Foi jogando assim que o Tricolor abriu o placar aos 24 minutos. Juninho repôs a bola em jogo, Pimpão dividiu com Flávio, Kelvin pegou o rebote, e depois de fintar e deixar o goleiro sentado, tocou para o fundo da rede.

Além da pressão paranista, outro ponto polêmico foi a arbitragem. Ainda no primeiro tempo, Micão recebeu o amarelo por falta em Pimpão. Na sequência, o zagueiro pôs a mão na bola para parar o ataque do Paraná. O gaúcho Leandro Vuaden apenas marcou a falta. Torcida e jogadores paranistas ficaram na bronca, pois queriam a expulsão do jogador do Coelho.

Micão deixou o gramado, por opção do técnico Mauro Fernandes, no fim da primeira etapa, para a entrada do atacante Thiago Silvy.

No segundo tempo, o goleiro Juninho se destacou com importantes defesas, e mesmo sem manter a mesma velocidade imposta no primeiro tempo, o Tricolor garantiu o placar e a permanência (ainda não matemática) na Segundona. "A gente acordou um pouco tarde, mas que sirva de lição para o ano que vem", lembrou lateral-esquerdo Henrique.

De sangue doce

Depois do jogo, o goleiro Juninho comemorou a vitória, evitou polêmicas, especialmente quando questionado sobre o atraso de salários. "As pedras estão todas no caminho e nós estamos conseguindo vencer isso. Agora vamos jogar de sangue doce. Agora um jogador que quer um trabalho para ano que vem tem de mostrar serviço nos jogos que resta", disse.

Sobre os problemas financeiros do clube, o goleiro se esquivou. "O Paulão (Paulo César Silva, assessor de futebol) sabe o que tem de fazer. Ele é que nem eu, a gente fala o que pensa", completou.

Enquanto Juninho evitou polêmica, na sala de entrevistas da Vila Capanema, o zagueiro Irineu disse que a presença de Paulão mudou o futebol do Paraná. "Antes da chegada do Paulão, a gente não sabia direitos das coisas, de como funcionava o clube. Acho que a gente poderia estar brigando por uma vaga na Série A, se ele tivesse chegado antes", analisou.

Cavalo aliviado

Depois do triunfo, Roberto Cavalo disse que o vitória trouxe uma sensação de alívio no treinador. O técnico garantiu que ainda não conversou sobre o futuro dele no clube. "Mas eu só fico se for contrato de um ano", avisou Cavalo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]