Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Guilherme Santos se emocionou ao conceder entrevista no Paraná Clube
Guilherme Santos se emocionou ao conceder entrevista no Paraná Clube| Foto: Hamilton Bruschz/Gazeta do Povo

Quem acompanha coletivas dos jogadores de futebol sabe que a imensa maioria delas são chatas. Respostas padrão, falta de sinceridade e medo de se comprometer dominam as entrevistas.

Mas, nesta terça-feira (1), o lateral Guilherme Santos, do Paraná Clube, deu aula de autenticidade ao passar a limpo a carreira e o futuro do time na Série B – que joga o clássico decisivo contra o Coritiba no próximo sábado (5), na Vila Capanema.

TABELA: confira a classificação e os próximos jogos da Série B

O atleta de 31 anos se emocionou ao lembrar do passado. Revelou problemas com droga quando mais jovem e disse que o fato de ter sido preso o fez mudar de vida. Em 2015, Guilherme Santos foi detido por desacato em Jequié, na Bahia, cidade natal do lateral.

“Me emociono quando falo do meu passado. Me envolvi com muitas coisas que me desfocaram no futebol. Cheguei até a ter um pouco de depressão. Tive problemas com droga, com prisão, problemas com a comunidade. Sempre bati de frente com a lei. Queria defender a favela e por eu ser jogador achei que conseguiria. Mas quando eu abri o olho eu tinha 30 anos”, recorda.

O jogador foi revelado pelo Vasco, em 2005, e se orgulha em dizer que atuou ao lado de Romário. De lá, foi vendido ainda jovem ao futebol espanhol. Defendeu Almeria e Valladolid de 2007 a 2011, e segundo ele próprio, teve a experiência de marcar Messi e Cristiano Ronaldo.

No seu retorno ao Brasil, jogou pelo Atlético Mineiro, Figueirense e Santos, quando chegou a ser cogitado a defender a seleção brasileira.

Porém, a carreira não decolou como se imaginava. Guilherme Santos rodou, sem se firmar, por Fluminense, Atlético-GO, Fortaleza. Teve mais espaço no Bahia, Sampaio Corrêa e Paysandu nos últimos anos. No Paraná desde o início do ano, ele já fez 32 jogos e é um dos mais regulares da equipe na temporada.

“Eu vejo que poderia ter tido uma carreira bem melhor. Mas eu tive que superar. Por isso eu tento passar para os mais jovens que tem oportunidade de fazer diferente. Hoje é uma alegria ver as pessoas comentando que eu consegui dar a volta por cima”, garante.

“Hoje é uma alegria estar aqui no Paraná e me sentir feliz. É uma sensação de alegria. Eu não sou muito de falar com o grupo até porque eu sou esquentado também. Eu já disputei muitos clássicos. E por isso eu falo para os jogadores mais jovens aproveitar esse clássico. É uma oportunidade para todos nós. Para você crescer dentro do clube e do futebol”, finalizou Guilherme Santos.

Confira trecho da entrevista

Leia Também:

Próximos jogos do Paraná

  • Paraná x Coritiba - 05/10, às 16h30
  • Operário x Paraná - 08/10, às 19h15
  • Bragantino x Paraná - 12/10, às 16h30
  • Paraná x Brasil de Pelotas - 15/10, às 19h15
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]