Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

brasileirão

Rodrigo Pastana não resiste às críticas e é demitido do Paraná

Um dos responsáveis pelo acesso no ano passado, executivo de futebol vinha sendo questionado fortemente pela formação do elenco para o Brasileirão

  • Tribuna do Paraná e Gazeta do Povo
Rodrigo Pastana chegou ao Paraná no início de 2017 com a missão de montar o elenco para a Série B. | Daniel Caron/Gazeta do Povo
Rodrigo Pastana chegou ao Paraná no início de 2017 com a missão de montar o elenco para a Série B. Daniel Caron/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Chegou ao fim o ciclo de Rodrigo Pastana no Paraná Clube. Depois de estar à frente das escolhas do elenco do Tricolor por quase dois anos, o executivo de futebol não teve forças para suportar a pressão em razão da péssima campanha do time na Série A do Brasileirão, e foi desligado do clube após a derrota para o Grêmio neste sábado (15). O ex-goleiro Marcos, então coordenador, passa a ser o diretor de futebol tricolor.

O resultado diante dos gaúchos afundou ainda mais o Tricolor na lanterna da competição, que está a 10 pontos do primeiro time fora da ZR: o Ceará, com 27. O time precisará buscar uma missão ‘quase’ impossível para escapar da degola.

Rodrigo Pastana chegou ao Paraná em dezembro de 2016 com a experiência de quem levou o Guarani ao vice da Série C em 2016 e a consequente vaga na Segundona.

Ele foi o responsável por montar o elenco de 2017, que conquistou o acesso à Série A do Brasileirão depois de o Tricolor amargar a Segunda Divisão por 10 anos consecutivos.

Contudo, nesta temporada o sucesso não se repetiu. Foram 36 jogadores contratados, três treinadores e equívocos no planejamento.

>> TABELA BRASILEIRÃO 2018: confira os resultados e próximos jogos

O executivo já estava sendo contestado por sua atuação e sua saída já vinha sendo solicitada pela torcida desde maio, quando as divergências políticas internas do clube ficaram escancaradas.

Na ocasião, veio à tona que o presidente Leonardo Oliveira e o investidor Carlos Werner entraram em conflito – e o pivô da crise seria justamente o responsável pelo departamento de futebol. Apesar da pressão, Oliveira blindou Pastana e permitiu que o dirigente pudesse continuar a exercer sua função.

Antes de chegar ao Tricolor, Pastana teve passagens por diversos clubes como Ceará, Goiás, Bahia, Guarani, Figueirense, Criciúma e Grêmio Barueri. Mas foi na Vila Capanema onde fez seu trabalho de maior visibilidade – para o bem e para o mal.

Do amor ao ódio

O trabalho de Pastana começou a “cair no gosto” do torcedor quando o Paraná Clube conseguiu fazer frente a grandes equipes no cenário nacional do futebol e avançou às oitavas de final da Copa do Brasil de 2017, depois de anos sendo eliminado nas fases iniciais da competição.

Na ocasião, o Tricolor desbancou Bahia, Vitória e conseguiu um triunfo histórico em cima do Atlético-MG, no jogo de ida. Na partida de volta, o Tricolor não teve força diante do Galo, que jogava na Arena Independência com o forte apoio de seu torcedor, e foi eliminado.

Ainda assim, os torcedores paranistas exaltaram a qualidade e dedicação daquele elenco.

***

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Esportes

PUBLICIDADE