Duas horas depois de demitir o técnico Vágner Mancini, ontem à noite, o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, deu uma rápida entrevista na Vila Belmiro. Ele não citou Vanderlei Luxemburgo, o nome preferido da principal torcida organizada do clube, e nem Muricy Ramalho, que não acertou com o Palmeiras porque teria exigido salário superior a R$ 500 mil mensais, e que seria o preferido dos conselheiros.

"Se encontrarmos dificuldades, poderemos fazer igual ao Palmeiras, ficando uma semana sem técnico. Só não vamos fazer nenhuma loucura", afirmou Teixeira, após confirmar que Serginho Chulapa ocupará interinamente o cargo no jogo contra o Barueri, nesta quarta, na Vila Belmiro, pela 11.ª rodada do Campeonato Brasileiro

Sobre a demissão de Mancini, ele argumentou que após a goleada que a equipe sofreu diante do Vitória (6 a 2), no domingo, em Salvador, a pressão da torcida foi muito grande para a troca de treinador.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]