Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Aborto: sete razões pelas quais a decisão de Roe versus Wade deve ser anulada
| Foto: Bigstock

Numa série de acontecimentos impressionante e sem precedentes, nesta semana alguém vazou um documento da Suprema Corte sugerindo que os juízes em breve derrubarão a decisão do caso Roe versus Wade que legalizou o aborto nos Estados Unidos. O documento – um rascunho inicial da opinião majoritária escrita pelo juiz Samuel Alito – foi obtido e publicado pelo site Politico.

O rascunho de parecer é um repúdio inflexível à decisão da Suprema Corte de 1973, na qual sete juízes vestidos de preto usurparam a prerrogativa legislativa do Congresso ao inserir na Constituição um “direito à privacidade” que permite o uso de violência letal contra seres humanos não nascidos .

Imediatamente, comentaristas notaram que o vazamento do rascunho era outra tentativa de usurpação – desta vez uma tentativa de ativistas da elite de esquerda usurpar o processo judiciário. Como se fosse uma sugestão, o presidente Joe Biden logo declarou que uma reversão da Suprema Corte no caso Roe seria “realmente uma decisão bastante radical”, alertando que “se sustentada, toda uma gama de direitos estaria em questão”.

O procurador-geral do presidente Barack Obama, Neal Katya, revelou que a opinião o fez querer chorar. Outros comentaristas liberais pediram uma resposta “revolucionária” se o tribunal realmente derrubar Roe v. Wade.

No entanto, uma inversão de Roe é “radical” apenas no sentido de que seria um retorno às normas civilizacionais para a dignidade humana. A decisão de Roe foi “radical” e “revolucionária” no sentido de subverter toda a tradição ocidental de direitos humanos.

Por causa de Roe, os ganhos do movimento pelos direitos civis foram desfeitos em um instante. Alguns advogados da Ivy League decidiram que toda uma classe de seres humanos - seres não nascidos - teriam justiça e igualdade negadas. Esses seres não nascidos agora têm muito menos direitos do que muitas espécies de pássaros, e a contagem de corpos de mortes habilitadas por Roe supera em muito o total de mortes causadas pela Segunda Guerra Mundial.

Como Roe prejudicou a sociedade americana? Aqui estão sete formas:

  • O aborto mata o bebê. Morrendo de maneiras violentas e agonizantes, algo entre um milhão e dois milhões de bebês humanos inocentes são mortos a cada ano. A experiência de dor do bebê é amplamente aceita, o que é uma das razões pelas quais os pró-aborto recorrem a eufemismos socialmente neutros, como “produtos da concepção” e “interrupção da gravidez”. Conforme observado pelos autores de “The America We Seek: A Statement of Pro-Life Principle and Concern”: “O nascituro na América hoje goza de menos proteção legal do que uma espécie de ave ameaçada de extinção em uma floresta nacional”.
  • O aborto machuca os homens. O aborto sob demanda significa que muitos pais devem assistir seus filhos serem mortos contra sua vontade. Alguns meses, anos ou mesmo décadas depois, os pais descobrem que a criança que eles gostariam de nutrir foi morta sem seu consentimento.
  • O aborto prejudica casamentos e famílias. O aborto prejudica as famílias de várias maneiras, entre as quais a destruição de um bebê, o aumento da irresponsabilidade masculina, a marginalização da paternidade e a mensagem implícita de que os membros de uma família podem usar força letal para resolver seus problemas.
  • O aborto mina a justiça e a igualdade. O aborto não deve ser uma questão de “escolha” mais do que outras situações que envolvam tirar a vida de uma pessoa inocente. Quando permitimos que nossos cidadãos tirem a vida de pessoas inocentes, minamos a afirmação de que os Estados Unidos são uma democracia governada por leis. Nossa nação não acredita mais que todos nós fomos criados iguais; não buscamos mais justiça para todos.
  • O aborto mina o sistema de freios e contrapesos. Em Roe v. Wade e decisões subsequentes, a maioria da Suprema Corte ignorou o debate democrático e a legislação ao fabricar um direito constitucional ao aborto.
  • O aborto minimiza as instituições mediadoras da sociedade. O aborto sob demanda pressupõe que um indivíduo (a mãe) tem o direito de tirar uma vida sem o consentimento do pai ou dos irmãos do bebê. Esse tipo de autonomia individual empurra os Estados Unidos ainda mais para um ambiente cultural onde os únicos atores importantes são o estado em constante expansão e o indivíduo solitário.

Em resumo, a legalização do aborto prejudicou a sociedade em geral.

O aborto sob demanda, criado por Roe, prejudicou bebês, mulheres, homens, famílias, normas democráticas e instituições culturais. Ele corroeu os fundamentos morais de nossa comunidade cívica e entorpeceu nossas consciências coletivas ao normalizar a violência letal contra humanos inocentes.

Bruce Ashford é redator de discursos políticos e membro sênior do Kirby Laing Center for Public Theology em Cambridge, Inglaterra.

©2022 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]