Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Os alunos de ensino médio Terry Miller e Andraya Yearwood ficaram em primeiro e segundo lugar no campeonato estadual indoor de atletismo, realizado em 16 de fevereiro. Tanto Miller quanto Yearwood são homens biológicos que se identificam como meninas transgênero. 

Uma das atletas, a estudante Selina Soule, disse à Associated Press que é injusto obrigar corredoras mulheres a competirem contra corredores homens. 

Leia mais: Transexuais no esporte feminino: por que essa é uma péssima ideia

“Todos sabemos qual será o resultado da corrida antes mesmo da largada. É humilhante”, disse Soule. “Apoio completamente e fico feliz por essas atletas serem fieis a si mesmas. Elas devem ter o direito a se expressarem na escola, mas o esporte sempre teve outras regras a fim de garantir uma competição justa”. 

Miller é o terceiro corredor mais rápido do país na categoria 55 metros (60 jardas) rasos. Yearwood vem em seguida, sendo o sétimo mais rápido do país. 

Leia mais: Professor é demitido por não usar pronome exigido por estudante transgênero

O sucesso de Miller e Yearwood é tão-somente o caso mais recente de atletas homens que se identificam como mulheres vencendo em esportes femininos. 

Miller e Yearwood também superaram facilmente as corredoras do estado em 2018, quando os dois se tornaram veteranos do ensino médio. 

Uma matéria solidária exibida no programa “Good Morning America” da rede ABC em julho de 2018 disse que os dois corredores “dominaram a competição” no campeonato estadual outdoor realizado no início daquele mês. 

Leia mais: O que há de errado com a ideologia transgênero

Naquela entrevista, Miller argumentou que corredoras mulheres deveriam se esforçar mais, e não ficar reclamando de deslealdade quando obrigadas a competir contra atletas homens que se identificam como transgêneros. 

Yearwood reconheceu ser mais forte do que as corredoras mulheres em entrevista à Associated Press, mas comparou isso às vantagens que outros atletas podem ter por causa do biotipo ou por se dedicarem mais aos treinamentos. 

Leia mais: Rendendo-se a valentões: lobby transgênero ameaça a ciência

“Um saltador poderia ser mais alto e ter pernas mais compridas do que outro, mas esse outro poderia ter um biotipo melhor e então se sair melhor”, disse Yearwood à Associated Press. “Um corredor pode ter pais que gastam muito dinheiro com treinamento individualizado para os filhos, o que, por sua vez, fará com que aquela criança corra mais rápido”. 

Tradução de Paulo Polzonoff Jr. 

©2019 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
26 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]