i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
STF está julgando

Com manobra, criminalização da homofobia avança na Câmara

  • PorRenan Barbosa
  • Brasília
  • 05/06/2019 19:36
Bandeira do movimento homossexual
Comissão da Câmara aprovou projeto, Senado avançou no consenso, mas bancada evangélica se retirou do debate; STF deve retomar o tema em breve| Foto: Pixabay

Com a tentativa de chegar a um consenso abandonada pela Frente Parlamentar Evangélica (FPE), depois da última sessão em que o Supremo Tribunal Federal (STF) discutiu a criminalização da homofobia, a Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara aprovou, nesta quarta-feira (5), um projeto de lei sobre o tema.

Menos de um dia antes, na noite desta terça-feira (4), um grupo de senadores também avançou na negociação dos termos do projeto sobre o assunto que tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, mas ainda há pontos em aberto. O STF deve retomar o julgamento do tema na próxima quinta-feira (13).

O projeto de lei, PL 7582/2014, de autoria da deputada Maria do Rosário (PT-RS), foi aprovado na CDH depois de uma manobra regimental. O presidente da comissão, deputado Helder Salomão (PT-ES), convocou uma reunião relâmpago para o período entre sessão conjunta do Congresso Nacional e o início da ordem do dia, e os deputados votaram uma inversão de pauta. Com a comissão esvaziada, apenas os deputados Filipe Barros (PSL-PR), Eli Borges (SD-TO) e Abílio Santana (PL-BA) votaram contra.

A comissão aprovou o substitutivo apresentado pelo relator, Carlos Veras (PT-PE), bem mais restrito que o texto inicial de Rosário, e que resolve algumas reclamações originais da bancada evangélica, mas não outras.

A FPE, que chegou a dar início a um acordo com PT e PSOL para aprovar um projeto de consenso, não participou da elaboração do texto. Líderes evangélicos consideram que o STF desrespeitou o Congresso, ao decidir que a mera tramitação de projetos no Legislativo não impede o tribunal de declarar o Congresso omisso.

A principal mudança proposta pelo substitutivo aprovado é a criação das hipóteses qualificadas de homicídio, lesão corporal e injúria, praticadas “em razão de ser a vítima lésbica, gay, bissexual, travesti, transexual, intersexo e demais pessoas trans”.

O substitutivo também cria os crimes de “discriminar, impedir o exercício ou interferir negativamente no exercício regular de direito em razão de a vítima ser lésbica, gay, bissexual, travesti, transexual, intersexo e demais pessoas trans” e de “induzir ou incitar a discriminação contra vítima lésbica, gay, bissexual, travesti, transexual, intersexo e demais pessoas trans”.

Apenas no caso da injúria o projeto faz a ressalva de que “não constitui injúria punível a manifestação de crença em locais de culto religioso, salvo quando houver incitação à violência”.

O texto apresentado por Veras não faz nenhuma modificação na 7.716/1989 e, portanto, não equipara homofobia e transfobia ao racismo, e não inscreve na lei os termos “orientação sexual” e “identidade de gênero”, combatidos por católicos, evangélicos e opositores da ideologia de gênero – uma questão ainda em aberto no texto que tramita no Senado e que líderes da bancada evangélica avaliar não ter chance de passar na Câmara.

Como está a negociação no Senado

O PL 672/2019, que está no Senado, modifica a Lei 7.716/1989, para passar a punir também os crimes de preconceito e discriminação por “sexo, orientação sexual e identidade de gênero”. Atualmente, a lei pune apenas por “raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”.

O projeto já foi aprovado em primeiro turno na CCJ do Senado, mas precisa passar por uma segunda votação e, salvo recurso, segue direto para a Câmara, sem passar pelo plenário. Desde a primeira votação, com a reação da bancada evangélica, três emendas foram propostas ao texto.

Em reunião na noite desta terça-feira, os senadores Alessandro Vieira (CD-PE), relator do PL 672/2019, Simone Tebet (MDB-MS), presidente da CCJ, Eduardo Girão (Pode-CE), Selma Arruda (PSL-MT), Mailza Gomes (PP-AC) e Daniela Ribeiro (PP-PB) avançaram na direção de uma redação de consenso no texto do Senado, mas os termos “orientação sexual” e “identidade de gênero” continuarão no projeto, segundo Vieira confirmou à reportagem.

Pelo acordo entre os senadores, seguindo emenda supressiva apresentada por Selma Arruda, será suprimida do texto a previsão de punição para “quem impedir ou restringir a manifestação razoável de afetividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público, ressalvados os templos religiosos”.

Além disso, serão incorporadas as emendas dos senadores Marcos Rogério (DEM-RO) e Daniela Ribeiro (PP-PB), que buscam proteger a liberdade de expressão e religiosa.

Pela proposta de Rogério, não constitui crime a manifestação de opinião de qualquer natureza e por quaisquer meios sobre questões relacionadas a orientação sexual ou identidade de gênero, sendo garantida a liberdade de consciência e de crença, de convicção filosófica ou política e as expressões intelectuais, artísticas, científicas e de comunicação”.

Já Daniela propõe que “o disposto nesta lei não se aplica às condutas praticadas no exercício da liberdade de consciência e de crença, incluindo-se, nesses, o discurso religioso e moral, em público ou em privado, presencial, televisivo, telemático ou por radiodifusão, discordante com o comportamento social de determinada orientação sexual ou identidade de gênero”.

Segundo Vieira, relator do projeto na CCJ, falta apenas chegar a uma redação de consenso para que o projeto volte à pauta do colegiado.

A posição da bancada evangélica e de deputados conservadores, como Filipe Barros (PSL-PR) e Chris Tonietto (PSL-RJ), é opor-se a qualquer menção à “identidade de gênero” nos documentos legais, a qualquer modificação que possa resvalar nas liberdades de expressão e religiosa, como no caso da injúria qualificada, e ao uso de termos abertos e genéricos que possam dar margem de interpretação alargadas aos juízes na aplicação da lei.

Como está o julgamento no STF

O Supremo já tem a maioria de seis votos para declarar o Congresso Nacional omisso em legislar sobre a população LGBT e equiparar a homofobia e a transfobia ao conceito jurídico de racismo para fins da aplicação da Lei 7.716/1989, mas o julgamento foi interrompido pela quinta vez no dia 23 de maio pelo presidente da corte, ministro Dias Toffoli. Se a pauta não for mudada mais uma vez, o STF deve voltar ao tema na próxima quinta-feira (13).

Foi na sessão de 23 de maio que alguns ministros se manifestaram com veemência pela continuação da votação, contrariando as intenções de Toffoli de retirar o tema de pauta. Com isso, a bancada evangélica passou a considerar o presidente do Supremo isolado e sem condições de cumprir o acordo de postergar o julgamento.

Os evangélicos também ficaram contrariados com o tom de alguns ministros ao defender que o STF pode declarar o Congresso omisso mesmo que haja projetos sobre o tema tramitando. Os votos que mais incomodaram foram o de Gilmar Mendes e Luiz Fux, que fez uma defesa enfática da autoridade do tribunal. "Se, por esse motivo [criminalizar a homofobia], a corte tiver que sofrer algum tipo de retaliação, que soframos todos nós”, disse o ministro.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    AV

    ± 0 minutos

    Se os comentaristas desta matéria estivessem debatendo a política de cotas, diriam que não são racistas, pois tratam negros igual gente. Essa turma de conservadores hipócritas são os que mais visitam os sinaleiros da Iguaçu! Hehe

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • B

      Brazilian

      ± 4 dias

      Não quero saber de ideologias, Gazeta.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • I

        Isabel

        ± 4 dias

        "somos todos iguais", SQN! algo feito pela maria do rosario, ja sabemos que não é bom!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • C

          Carlos Andrade

          ± 4 dias

          Desde a CF/88 as leis foram elaboradas ou passaram a ser interpretadas no espírito do garantismo, dificultando ao máximo a punição. Disso resulta que precisam elaborar leis para se garantir Para essa gente em 65.000 homicídios, só merecem punição 5.000 contra mulheres e 198 contra LGBTs. O restante que se perca na ineficiência da polícia e na morosidade da justiça.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • I

            IRONILDA MADALENA A DE LIZ DE OLIVEIRA

            ± 4 dias

            Que absurdo uma lei desse naipe, se somos todos iguais perante a lei , criar um troço desse. Sou totalmente contra.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • D

              Decio mango

              ± 4 dias

              Podem jogar a constituição no lixo......todos eram iguais perante a lei...logo *****s e outro bichos estarão mais iguais que outros

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • A

                ALEXANDRE JOSE D. GONCALVES

                ± 4 dias

                Esse caminho para tipificar e potencializar crimes sobre grupos específicos só servem para favorecê-los. Fazer com que haja delegacias específicas para obterem atendimentos especiais. Os crimes deveriam ser para os seres humanos, não apenas para mulheres e agora os LGBT. Uma injúria ou violência serve tanto para um homem, quanto para uma mulher ou transsexual. O que deveriam discutir é como garantir que essas leis sejam aplicadas de fato com a rapidez e peso necessários. Acho tão básico o entendimento que me faz pensar se o real motivo dessas movimentações serem esses mesmos ou serem estritamente políticas, pouco importando se haverá redução na ocorrência dos crimes.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • F

                  FRANCIELY

                  ± 4 dias

                  Aqui, na Suécia, como não temos problemas básicos de saúde, educação, violência, falta de emprego, previdência e outras coisinhas comezinhas para resolver, podemos nos dar o luxo de discutir banalidades!! Um país que precisa de muita lei é um país que não respeita qualquer lei!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  1 Respostas
                  • A

                    AV

                    ± 9 minutos

                    Prioridade é votar afrouxamento das leis de trânsito! Hipocrisia barat!!

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                • M

                  MBP

                  ± 4 dias

                  Dá pra trocar de canal e colocar no jogo???

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • P

                    Paulo Roberto Siqueira

                    ± 4 dias

                    Não existe crime sem lei

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • C

                      Celito Medeiros

                      ± 4 dias

                      Seja o que for e como for, JAMAIS deveríamos ter quaisquer preconceitos, cada um que assuma suas condições de gêneros, sem precisar avaliar ou recriminar ninguém e nenhuma situação!

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      Fim dos comentários.