Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Para além de transformar o terrorista pardo Carlos Marighella na reencarnação revolucionária de Zumbi dos Palmares, a cinebiografia de Wagner Moura sobre esse guerrilheiro revela o que há por trás de tanto idealismo: uma fé inabalável no uso da força para se criar uma sociedade igualitária.

O filme “Marighella”, em cartaz nos cinemas, não se esforça nem um pouquinho para explorar o que leva um homem a desejar subjugar outros homens em nome de um, abre aspas, “mundo mais justo”. A produção maniqueísta prefere tratar o terrorista como um herói sem nuances que luta contra vilões igualmente sem nuances. Tudo é muito oito-ou-oitenta nesse filme que começa polêmico e termina sonolento e que é o tema da conversa de hoje do Quarentena Cult.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]