i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
150 vezes o valor

Consumidor que teve R$ 2 cobrados a mais em conta deve ser indenizado

  • PorGazeta do Povo
  • 20/03/2019 15:14
Imagem ilustrativa (Reprodução/Designed by Freepik)
Imagem ilustrativa (Reprodução/Designed by Freepik)| Foto: Stefan AMER

A Justiça da Bahia condenou um restaurante da capital baiana a indenizar um consumidor por R$ 2 cobrados a mais na conta. A condenação estipulada foi de 150 vezes o valor cobrado de forma errada. A decisão é da juíza Michelle Trindade Luz, da 4ª Vara do Sistema dos Juizados Especiais do Consumidor de Salvador.

De acordo com os autos, o homem pediu dois pratos típicos da região – abará e vatapá – , acompanhados de salada. Na hora de pagar, percebeu que produtos não solicitados foram incluídos na conta: caruru (R$ 1,50) e pimenta (R$ 0,56). O consumidor reclamou com a gerência, mas a correção da nota foi negada pelos funcionários do restaurante.

Leia também: Empresa é condenada por exigir certidão de antecedentes criminais na contratação

Para a juíza responsável por julgar a ação, o restaurante cometeu ato ilícito ao cobrar a mais do consumidor e se negar a corrigir a conta. A juíza lembrou que a regra do Código de Defesa do Consumidor (CDC) é a responsabilidade objetiva, em que só é preciso comprovar dano e nexo causal, não necessitando da comprovação de dolo ou culpa por parte do fornecedor.

A magistrada também entendeu que o restaurante violou o princípio da veracidade da oferta, previsto no artigo 31 do CDC, que traz que o fornecedor deve apresentar informações verdadeiras, corretas e claras ao consumidor.

"Comprovado o ato ilícito, configurado está o dano moral, posto que a doutrina e a jurisprudência majoritárias se alinham no sentido de que o prejuízo imaterial é uma decorrência natural (lógica) da própria violação do direito da personalidade ou da prática do ato ilícito", anotou a juíza na decisão.

O restaurante foi condenado a indenizar o consumidor em R$ 300, além de devolver os R$ 2,06 cobrados indevidamente na conta.

Processo n. 0175753-26.2018.8.05.0001.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Michel H. Duda

    ± 0 minutos

    Pau!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      Everaldo Basso

      ± 48 minutos

      Brasileiro compra um baseado não reclama do preço. Mas por 2,00 ele faz um escândalo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • S

        Silvia Costa

        ± 59 minutos

        Prática corrente em grandes redes varejistas que anunciam ofertas nas gôndolas e quando você passa a mercadoria o valor continua o regular, não o anunciado pela promoção. O consumidor é encarado nesses casos como um ****** fácil de ludibriar e bater a carteira.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.