Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

direito penal

Juiz decreta prisão de suspeito por “estupro virtual”

Suspeito utilizava perfil falso para exigir fotos da vítima praticando “atos libidinosos”. Decisão seria inédita no Brasil

  • Renan Barbosa
 | Henry MilleoGazeta
Henry MilleoGazeta
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Um juiz do Piauí decretou a prisão de um investigado por crime de “estupro virtual”. De acordo com a Associação de Magistrados Piauienses (Amapi), é a primeira decisão com esse teor no Brasil. O suspeito utilizava um perfil falso no Facebook para ameaçar divulgar fotos íntimas da vítima, em troca de novas imagens da mulher nua, se masturbando e introduzindo objetos na vagina. O juiz do caso entendeu que, mesmo sem o contato físico, a vítima estava sendo coagida a praticar ato libidinoso em si mesma e considerou haver crime de estupro praticado de forma “mediata ou indireta”. 

Segundo nota da Amapi explicando a decisão do juiz, “a ofendida, mediante coação moral irresistível, foi obrigada a realizar o ato executório como ‘longa manus’ do agente”. À TV Clube, afiliada local da Rede Globo, o delegado Daniel Pires, da Delegacia de Repressão dos Crimes de Alta Tecnologia, declarou que o caso se trata de “estupro que ocorreu no ambiente virtual”. O delegado explicou que a vítima foi ameaçada a enviar imagens íntimas e, posteriormente, a enviar as fotos ainda mais invasivas. 

Leia também: Estupro: mais importante que conhecer o perfil da vítima é traçar o do agressor

“Ele cometeu crime de estupro porque constrangeu alguém, mediante grave ameaça, a manter ato libidinoso [...] e a lei não exige que o ato seja presencial”, afirmou ainda o delegado. “No Brasil, se a pessoa simplesmente exigir fotografias que não tenham nada a ver com ato libidinoso, infelizmente é apenas caso de constrangimento ilegal”, acrescentou. 

Controvérsia 

Para o advogado Renato Jorge de Melo Silveira, professor titular da USP e especialista em crimes sexuais, a decisão do juiz é equivocada. “Os crimes sexuais tutelam a autodeterminação sexual e esta não parece ter sido violada. Sem dúvida, existiu um constrangimento ilegal, mas não me parece que essa modalidade possa ser equiparada a de uma conjunção carnal forçada”, afirma. “É desproporcional e ilegítimo [se houver] uma condenação por estupro real e estupro virtual na mesma margem penal”, diz. 

Para a advogada Ana Paula Braga, especialista em direitos das mulheres, o entendimento do juiz está correto. “Apesar de [a conduta] ser virtual, enquadra-se exatamente no crime de estupro, pois ele agiu para fazer com que a mulher pratique ato libidinoso. Ele forçou a mulher a praticar ato libidinoso com ele. Não há dúvidas de que ele pediu as imagens para o próprio prazer”, afirma. 

Prescrição 

Nesta quarta-feira (09), o Senado aprovou, por 61 votos e nenhum contrário, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 64/2016, que altera a Constituição para tornar o crime de estupro imprescritível. Segundo a relatora da proposta, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), a angústia da agressão decorrente do estupro, muitas vezes ocorrida em ambiente familiar, leva tempo para decantar. “É esse lapso de tempo que fertiliza a impunidade, e é essa impunidade que se pretende combater, ao tornar o estupro, como o racismo, um crime imprescritível”, declarou a senadora.

A advogada Ana Paula, no entanto, alerta para o problema da decadência do direito de ação, já que o crime de estupro, de acordo com o artigo 225 do Código Penal, é de ação penal pública condicionada. Isso significa que, para o Ministério Público denunciar o autor do crime, a vítima deve antes representar perante o órgão. “Seria preciso tornar o crime de estupro de ação penal pública incondicionada, senão decai o direito de representação da mulher em seis meses”, afirma. “A iniciativa é boa, porque tem um reconhecimento político. Mas é imprecisa e atécnica”, acrescenta Ana Paula. 

Conheça a lei

Estupro

Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso:

Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos. 

§ 1o Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave ou se a vítima é menor de 18 (dezoito) ou maior de 14 (catorze) anos: 

 Pena - reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze) anos. 

§ 2o Se da conduta resulta morte: 

 Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos.” (NR)

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Justiça

PUBLICIDADE