Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Imagem ilustrativa. | Daniel Caron/Gazeta do Povo/Arquivo
Imagem ilustrativa.| Foto: Daniel Caron/Gazeta do Povo/Arquivo

A multinacional Louis Dreyfus foi condenada pela 1ª Vara do Trabalho de Franca, no interior de São Paulo, a indenizar 34 trabalhadores submetidos a condições degradantes em alojamentos em Pedregulho, a 437 km da capital paulista. A empresa atua no ramo da agricultura, processamento de alimentos, transporte internacional e finanças. Cabe recurso.

Os funcionários trabalhavam com plantio de laranja na fazenda Santa Ângela. Dois deles moravam em uma casa que, antes da chegada deles, era utilizada como galinheiro. A empresa informou que ainda não foi notificada da decisão e que não reconhece nenhuma prática irregular.

De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT), autor da ação, cada trabalhador será indenizado por danos morais no valor de R$ 20 mil, por terem sido submetidos a viver num local sem conforto, higiene e segurança. O total da ação soma R$ 680 mil.

Confira: Trabalhadora não comparece à audiência e é condenada a pagar R$ 47 mil 

A condenação confirmou liminar obtida em 2013, que obrigou a empresa a retirar os trabalhadores dos imóveis irregulares e colocá-los em hotéis até o retorno às suas cidades de origem. O grupo era composto por migrantes da Bahia e de Pernambuco.

Além do alojamento, a Louis Dreyfus, multinacional francesa, também foi condenada a pagar as verbas rescisórias, a emitir guias de seguro-desemprego e a fornecer o transporte para o retorno do grupo às cidades nordestinas. A situação foi flagrada em agosto de 2013, após blitz do MPT e do Ministério do Trabalho na propriedade rural.

Todos os trabalhadores foram contratados por “gatos” - intermediários - com a promessa de receberem bons salários e terem boas condições de trabalho, o que, segundo o Ministério Público, não ocorreu. Num dos imóveis havia 19 moradores, todos dormindo em colchões no chão. Não havia camas nem armários. Além desse cenário, ainda houve o caso do casal que morava no antigo galinheiro e tinha de pagar R$ 100 pelo local de um cômodo e sem janelas.

Leia também: Arbitragem trabalhista como nova forma de resolução de conflitos

“Os alojamentos em que moravam se encontravam em situação extremamente precária, com colchões jogados no chão, sem roupas de cama, sem portas e sem chuveiros, além da falta de higiene”, diz trecho de comunicado do MPT.

Outro lado

Por meio de sua assessoria, a Louis Dreyfus informou que não foi oficialmente intimada de nenhuma decisão recente no caso em referência.

“A companhia não reconhece a prática de qualquer ilicitude e recorrerá de qualquer decisão em sentido contrário. A empresa reitera o compromisso com a saúde e a segurança de todos os seus colaboradores, por meio do cumprimento das normas relacionadas ao tema”, diz trecho de nota enviado à reportagem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]