i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Autoridade nacional

Vincular proteção de dados à presidência fere autonomia, alertam especialistas

  • PorJuliano Pedrozo
  • 27/05/2019 14:36
proteção-de-dados
MP vincula autoridade de proteção de dados pessoais à presidência| Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) vinculada à presidência da República fere a autonomia e a independência funcional, dizem especialistas. A Medida Provisória 869 que cria o órgão e a altera a Lei nº 13.709/2018 avançou no Congresso.

O principal ponto de debate está relacionado ao art. 55-A . O texto define a ANPD como órgão da administração pública federal. De acordo com a proposta, que foi alterada por emenda parlamentar, “a vinculação da ANPD à presidência da República é transitória e terá sua natureza reavaliada pelo Poder Executivo” – o que pode tornar a ANDP em uma autarquia, no prazo de dois anos, a critério do Executivo.

A alteração, incluindo a vinculação transitória, foi feita após a apresentação de sete emendas apresentadas pelos parlamentares. Outras sete emendas sugeriram vincular o órgão ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, de Sérgio Moro, ou da Economia.

Para o professor de direito eletrônico do Centro Universitário Curitiba (Unicuritiba) Charles Emmanuel Parchen, a vinculação da ANPD à presidência da República precisa ser revista para garantir a efetividade da lei.

“É uma questão que preocupa bastante, na medida em que a ANPD precisa ter seus próprios poderes. A grande questão é como garantir a independência e a autonomia do órgão, ser livre de nomeações a cargo da presidência. Entendo que ela [ANPD] deve ser composta por técnicos, não por indicações políticas”, afirma.

Parchen revela que nos próximos anos deve haver embate da ANPD com empresas que operam na internet e que a independência vai ser fundamental. “Como que a autoridade vai exigir das grandes corporações, como Google, Facebook, Whatsapp, que se comportem como a norma manda”, questiona.

Proteção de dados no âmbito internacional

Para a advogada e especialista em Privacidade e Proteção de Dados Marcela Joelsons, quanto menor a influência política e maior independência à ANPD, melhor para o Brasil perante outros países.

“Não vai haver segurança igual temos em outros países. A legislação europeia exige que a legislação tenha o mesmo nível de segurança para negócios, e isso pode afetar questões econômicas. Se considerar que o Brasil não tem essa segurança, a lei pode se tornar inócua”, explica.

A advogada reforça que alterações devem ser feitas para que a lei seja, de fato, reconhecida no âmbito internacional, com mais autonomia envolvendo o Brasil.

“Da forma como ficou, não está satisfatória, principalmente para os empresários. A lei é extremamente técnica, complexa. Não dá total independência, e isso vai contra as legislações internacionais. É importante que realmente tenha autonomia para atuar no setor público e no privado, para fiscalizar, sem vinculações políticas”, alerta.

A MP 869, retirada da pauta da Câmara dos Deputados no dia 22 de maio, tem prazo para deliberação até 3 de junho. Para ser aprovada, a MP precisa de maioria simples. Depois, segue para o Senado para ser analisada. Se não for alterada, é encaminhada direto para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente tem a prerrogativa de vetar o texto parcial ou integralmente, caso discorde de eventuais alterações feitas no Congresso. Pela Constituição, a MP é competência exclusiva do chefe do Executivo.

Direito fundamental

A proteção de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, pode ser considerada como direito fundamental a todos os brasileiros e estrangeiros residentes no país. A CCJ (comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou uma PEC (proposta de emenda à Constituição) que altera o Art. 5º. A matéria aguarda votação em plenário.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.