i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Programa nuclear

Acordo com o Irã enfrenta obstáculos

  • PorAgência Estado
  • 30/11/2013 21:22
Obama e Netanyahu em encontro ocorrido em setembro: israelense se opõe ao pacto | Jason Reed/Reuters
Obama e Netanyahu em encontro ocorrido em setembro: israelense se opõe ao pacto| Foto: Jason Reed/Reuters

US$ 7 bilhões é a receita adicional ao Irã proveniente do acordo temporário sobre as limitações no enriquecimento do urânio, segundo estimativas da Casa Branca. Mesmo sendo insuficientes para a economia de uma nação com quase 80 milhões de pessoas e representando menos do que o valor da produção mensal de petróleo, os recursos são vistos pelos iranianos como necessários.

O inédito acordo obtido no fim de semana passado com o objetivo de controlar o programa nuclear do Irã enfrenta uma série de obstáculos para se tornar permanente, a começar pelo Congresso norte-americano e por dois dos mais próximos aliados dos Estados Unidos.

Líderes tanto do Partido Democrata quanto do Re­publicano estão ameaçando romper com a política do presidente Barack Obama e habilitar novas sanções ao Irã, alegando que o acordo interino alcançado em Genebra concede benefícios demais ao regime iraniano e pede muito pouco em troca.

"A falta de proporção desse acordo torna provável que democratas e republicanos se juntem para aprovar sanções adicionais quando voltarmos do recesso em dezembro", disse o senador democrata Charles Schumer. Uma medida como essa tem potencial para sabotar o nascente acordo nuclear e acrescentar mais um item à lista de recentes problemas políticos da Casa Branca.

Washington sinalizou que vai defender o acordo diretamente com os parlamentares e líderes estrangeiros. Por telefone, Obama conversou com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que se opõe ferrenhamente ao pacto. O líder norte-americano disse que Netanyahu "tem bons motivos para estar cético em relação às intenções do Irã".

O país persa celebrou o acordo como uma vitória política para o presidente Hassan Rouhani e como um passo no sentido do alívio econômico. Um acordo final pode sustentar os esforços dos EUA para estabilizar o Oriente Médio e encerrar conflitos na Síria e entre Israel e palestinos, região onde Teerã ativamente apoia grupos militantes.

Autoridades norte-americanas afirmam que uma conclusão bem-sucedida do acordo pode redefinir as relações entre EUA e Irã, marcadas por hostilidade desde a revolução islâmica de 1979 em Teerã. "Acredito que este é potencialmente um momento importante, mas não vou ficar aqui triunfante e dizer que isso é o fim dos problemas", disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, após dias exaustivos de negociações.

Um dos benefícios que especialistas esperam ver é que o alívio das tensões com o Irã leve a uma redução nos preços mundiais do petróleo, apesar de os efeitos dependerem, em parte, de quanto petróleo iraniano voltará ao mercado.

O acordo, porém, gera grandes riscos, segundo algumas autoridades dos EUA e do Oriente Médio. Aliados importantes dos EUA, como Arábia Saudita e Israel, contestam publicamente a política norte-americana, alegando ameaça à segurança.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.