i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Fraude eleitoral

Após impugnação de votos, Afeganistão terá 2º turno

O controverso primeiro turno das eleições afegãs ocorreu em 20 de agosto. Houve diversas denúncias de fraudes

  • PorAgência Estado
  • 20/10/2009 08:29
Presidente afegão que fraudou as eleições, Hamid Karzai (direita) com o senador americano John Kerry, em Cabul | Reuters
Presidente afegão que fraudou as eleições, Hamid Karzai (direita) com o senador americano John Kerry, em Cabul| Foto: Reuters

Sob intensa pressão internacional, o presidente afegão, Hamid Karzai, admitiu nesta terça-feira que houve fraude nas eleições de 20 de agosto e aceitou disputar o segundo turno, marcado para o dia 7.

A decisão do líder afegão foi tomada depois de uma investigação da Comissão de Queixas Eleitorais, patrocinada pela Organização das Nações Unidas (ONU), ter determinado que quase um terço dos votos de Karzai deveria ser anulados por causa de fraude.

Após essa recontagem de votos, o presidente ficou com 48% dos votos, ou seja, menos do que os 50% necessários para se reeleger no primeiro turno. Ele enfrentará o ex-chanceler Abdullah Abdullah.

"Faço um apelo à nação para ver esse momento como uma oportunidade de levar o país adiante e participar dessa nova rodada de votação", disse Karzai, ao deixar um encontro com os diretores da Comissão Eleitoral do Afeganistão, organização controlada por aliados do presidente.

A comissão confirmou a conclusão do órgão da ONU, de que Karzai não teve a votação necessária para evitar o segundo turno, mas divulgou um número um pouco diferente: 49,67%. A porcentagem divulgada inicialmente era de 54,6%.

Ao lado do senador americano John Kerry e do enviado da ONU Kai Eide, Karzai agradeceu pela ajuda da comunidade internacional e disse que gostaria de poder continuar contando com o apoio externo para a segunda rodada de votação.

No entanto, ele não expressou arrependimento pela fraude em massa, que fez com que ele perdesse cerca de 1 milhão de seus 3 milhões de votos.

Agora que as investigações sobre as fraudes foram finalizadas, os responsáveis pela eleição agora têm de organizar uma nova votação, em meio à crescente ameaça do Taleban e ao início do severo inverno afegão.

"Com certeza o Taleban usará toda a sua força para atrapalhar a eleição", observou o analista afegão Waheed Mozhdah. "O segundo turno será difícil se o objetivo for uma eleição mais transparente do que a do primeiro turno."

Ao aceitar um segundo turno, Karzai aliviou as tensões com o Ocidente, especialmente com os EUA. O presidente Barack Obama havia condicionado o envio de mais tropas ao país à resolução da crise eleitoral.

Obama telefonou para Karzai e o parabenizou por ter aceitado o segundo turno. "Essa eleição poderia ter permanecido sem uma resposta, mas as ações do presidente Karzai estabeleceram um precedente importante para a nova democracia afegã", disse Obama, por meio de um comunicado.

"A Constituição do país se fortaleceu com a sua decisão. Agora, é crucial que toda a sociedade afegã continue unida para lutar pelo avanço da democracia, da paz e da justiça."

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também elogiaram a decisão do líder afegão.

A Casa Branca deixou clara sua crença em que, para que os EUA tenham sucesso no país, é essencial que haja uma governo legítimo e confiável em Cabul.

Obama deve se reunir com seus assessores nesta semana e na próxima para analisar o pedido do general Stanley McChrystal, que defende o envio de mais 40 mil soldados para a guerra afegã.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.