Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Manifestantes seguram celulares durante marcha organizada por mães de Hong Kong em apoio aos manifestantes que protestam contra o projeto de lei que permitiria a extradição para a China
Manifestantes seguram celulares durante marcha organizada por mães de Hong Kong em apoio aos manifestantes que protestam contra o projeto de lei que permitiria a extradição para a China| Foto: HECTOR RETAMAL / AFP

Enquanto os manifestantes de Hong Kong realizavam enormes protestos no mês passado por causa de um projeto de lei para permitir a extradição para a China, alguns dos residentes de língua chinesa de Seattle, Estados Unidos, não sabiam nada sobre as manifestações.

Um motivo: para ler notícias, eles confiam nos veículos de propaganda da China, que não cobriram as manifestações de grande escala na cidade portuária semi-autônoma do sul da China.

"Eu não ouvi falar de nenhum protesto em Hong Kong", diz uma profissional da saúde que se mudou para Seattle há 11 anos da província chinesa de Guangdong, que faz fronteira com Hong Kong. "Eu leio todas as notícias online no Sina.com - o site é muito popular aqui", diz ela, referindo-se ao site de uma empresa chinesa de tecnologia que veicula notícias da mídia estatal chinesa. Ela não quis ser citada pelo nome.

Na última década, a proliferação de notícias oficiais da China dentro dos Estados Unidos - em chinês e inglês - faz parte do que o Partido Comunista chama de "Grande Campanha de Propaganda no Exterior", que visa a "tomar o direito de fala" da mídia ocidental, de acordo com relatórios oficiais da mídia chinesa e sites do governo.

A campanha tem como objetivo reforçar a imagem e o soft power da China no exterior, disseminando mensagens partidárias para as grandes diásporas chinesas nos EUA e em outros países - e também, cada vez mais, para estrangeiros. Mas ela se concentra fortemente nos milhões de chineses em comunidades no exterior, visando transformar organizações estrangeiras em "bases de propaganda" para a "frente única" da China, segundo uma publicação estatal citada em um relatório de 2017 por Anne-Marie Brady, especialista em Política chinesa.

A campanha envolve não apenas promover informações pró-Pequim, mas também desestimular reportagens negativas. A censura se estende às mídias sociais e é reforçada pela supressão de conteúdo das plataformas chinesas que as autoridades consideram negativo. Por exemplo, alguns cidadãos dos EUA recentemente tiveram mensagens ou suas contas censuradas no popular aplicativo chinês de mensagens WeChat.

"É muito chocante para mim ver que o Grande Firewall da China esteja chegando aos EUA em formato digital", diz George Shen, consultor de tecnologia de Newton, Massachusetts, que teve suas contas do WeChat banidas no mês passado. “É uma censura muito furtiva e sofisticada. Eles estão filtrando suas mensagens sem nem ao menos informá-lo”, diz ele.

Financiada com bilhões de dólares de fundos governamentais, a estratégia, além de estabelecer veículos de mídia chineses no exterior, também é de comprar espaço ou comprar veículos de notícias estrangeiros e contratar repórteres estrangeiros. Essa tática, conhecida como “pegar um barco emprestado para sair no oceano” - ou comprar um barco, conforme o caso - visa oferecer uma aparência de credibilidade.

Ao mesmo tempo que a China expande seus canais para o público americano, está aumentando as restrições à mídia norte-americana na China. No mês passado, as autoridades chinesas bloquearam vários meios de comunicação dos EUA na internet na China, incluindo os sites do Washington Post, The Christian Science Monitor e NBC News.

“A expansão da influência midiática do Partido Comunista Chinês é uma campanha global, e os Estados Unidos estão entre seus alvos”, escreveu Sarah Cook, analista sênior de pesquisa para a Ásia Oriental da Freedom House, uma ONG financiada pelo governo dos EUA, em um relatório divulgado no mês passado. "Os resultados já afetaram o consumo de notícias de milhões de americanos".

Em setembro passado, antes das eleições de meio de mandato nos EUA, por exemplo, a mídia estatal chinesa divulgou um anúncio no jornal Des Moines Register sobre os danos aos produtores de soja causados pela guerra comercial entre EUA e China - um aparente esforço para influenciar os eleitores de Iowa.

A disseminação do conteúdo pró-Pequim, muitas vezes associada à falta de transparência sobre suas origens, torna “muito forte o potencial de manipulação política e eleitoral”, disse Cook em uma entrevista.

Muito perto de Pequim

Em uma loja de medicamentos fitoterápicos na Chinatown de Seattle, as notícias da TV estatal China Central Television (CCTV) são transmitidas em uma TV de tela plana perto da entrada, como ocorre em muitas empresas do bairro. O lojista Jianhe Hang diz que sintoniza as transmissões do governo da China todos os dias.

Hang chegou a Seattle há dez anos, de Guangdong, para se juntar a parentes, e tem um visto de residência permanente, mas, como outros moradores do bairro, ele é cauteloso ao expressar suas opiniões a um repórter. Questionado sobre os protestos em Hong Kong, ele diz que está ciente deles, mas se recusa a dizer mais. “Eu fico em cima do muro. Eu não os apoio e não me oponho a eles".

A CCTV domina a programação de TV a cabo em língua chinesa nos EUA, e está disponível em cerca de 90 milhões de residências, número muito maior do que os estimados 4 milhões a 5 milhões de americanos de origem chinesa no país.

“Aqui, todos os dias posso assistir à CCTV ou à Phoenix TV [uma emissora pró-Pequim com sede em Hong Kong] e, quando vou ao mercado, posso comprar jornais estatais chineses”, diz Zhang Weiguo, jornalista chinês em Sacramento que foi preso e exilado pelas autoridades chinesas.

A crescente saturação da mídia oficial da China na última década significa que alguns falantes de chinês nos EUA, particularmente os recém-chegados da China, "estão muito perto de Pequim - em muitos lugares, seu pensamento está totalmente alinhado", diz ele.

Cada vez mais, no entanto, o impulso da mídia de Pequim vai além das comunidades de língua chinesa. Desde que a China lançou sua campanha de propaganda no exterior em 2009, com um orçamento de US$ 7 bilhões, o país avançou rapidamente para expandir sua mídia em inglês nos EUA.

O China Daily, um jornal estatal publicado em inglês, estabeleceu uma edição americana em 2009 com caixas de venda de jornais nas ruas de Seattle a Nova York. O China Daily não respondeu a ligações e consultas por e-mail sobre a atual circulação do jornal nos EUA, mas em 2012 a tiragem era de 170.000. O jornal também colocou suplementos publicitários pagos do "China Watch" em jornais dos EUA, incluindo o The Wall Street Journal e o Washington Post. O China Daily gastou quase US$ 20 milhões em influência nos EUA desde 2016, de acordo com relatórios do Departamento de Justiça dos EUA.

A China Global Television Network (CGTN), parte do braço internacional da CCTV estatal da China, chega a 30 milhões de lares norte-americanos com programas em inglês. Recentemente, a âncora da CGTN Liu Xin fez uma das primeiras aparições importantes para uma personalidade de mídia chinesa na televisão americana - um debate sobre o comércio entre os EUA e a China com a apresentadora da Fox News Trish Regan.

Tanto a CGTN quanto o China Daily são registrados como agentes estrangeiros nos EUA, conforme exigido de grupos que representam potências estrangeiras. Como resultado do seu registro este ano, a Galeria de Imprensa do Senado negou credenciais de imprensa para a CGTN no mês passado. O Departamento de Justiça teria pedido à agência estatal de notícias Xinhua, que tem vários escritórios nos EUA, que também se registrasse. Perguntado sobre o assunto, o Departamento de Justiça se recusou a comentar.

O envolvimento da China muitas vezes não é transparente. Por exemplo, conteúdo de rádio pró-China em inglês é transmitido por cerca de 30 estações de rádio nos EUA - de Boston a Los Angeles. As estações são de propriedade ou o sinal é alugado por uma empresa dos EUA que é, por sua vez, controlada pela estatal China Radio International. Em outro caso, uma empresa ligada a Pequim comprou uma estação de rádio no México e está transmitindo conteúdo em chinês em todo o sul da Califórnia, embora a venda ainda não tenha sido aprovada pela agência reguladora americana.

Esses canais transmitem notícias tendenciosas para Pequim, por exemplo, omitindo relatórios que criticam as violações dos direitos humanos na China, ao mesmo tempo que apresentam a linha oficial sobre questões delicadas como as reivindicações territoriais da China no Mar do Sul da China.

"Antes, o Ocidente estava chegando para influenciar a China", diz Zhang, "então agora a estratégia da China é inverter isso de cabeça para baixo e usar a ideologia do Partido Comunista para mudar o Ocidente".

Potencial de influenciar americanos

Até agora, a crescente presença da mídia chinesa nos EUA tem sido mais sentida entre a diáspora chinesa, e tem um impacto relativamente limitado nos americanos em geral, dizem os especialistas. Mas as redes dão à China "o potencial de mobilizar americanos chineses e os outros americanos a adotarem políticas contrárias aos interesses dos EUA", segundo um relatório de proeminentes estudiosos da China publicado no ano passado pela Hoover Institution da Universidade de Stanford. "A constante publicação de reportagens antiamericanas nos meios de comunicação pró-Pequim sediados nos Estados Unidos cria um ambiente prejudicial".

Embora as autoridades dos EUA tenham ferramentas limitadas para combater essa influência em uma sociedade aberta, elas podem trabalhar para determinar a propriedade de empresas chinesas que compram mídia baseada nos EUA e exigir que a mídia controlada por estrangeiros que promove agenda de governo seja registrada como agentes estrangeiros, conclui o relatório.

Relaxando perto do pavilhão chinês no Parque Hing Hay, em Seattle, após um turno de 10 horas em um restaurante local, Tan Ancun lê uma cópia gratuita do jornal pró-Pequim Qiao Bao. "Só leio jornais gratuitos", diz Tan, um homem de cabelos grisalhos que emigrou há quatro anos de Guangdong. Com dificuldades para cobrir o aluguel de seu pequeno quarto, o Sr. Tan diz que não pode pagar por notícias.

Um jornal dos EUA em língua chinesa com uma tiragem de cerca de 100 mil cópias em 17 cidades dos EUA, o Qiao Bao tem um escritório em Bellevue, Washington, e também administra uma estação de rádio em mandarim em Seattle. O conteúdo de Qiao Bao ecoa as mensagens da China - por exemplo, em uma reportagem condenando os protestos de Hong Kong. Seus fundadores e outros funcionários têm laços estreitos com Pequim; alguns anteriormente trabalhavam para a mídia estatal na China.

"O Qiao Bao está em toda Chinatown", diz Assunta Ng, uma veterana jornalista americana chinesa em Seattle. “Muitas pessoas gostam de receber coisas gratuitas, por isso não se importam em ler propaganda”, diz Ng, nascida em Guangdong, criada em Hong Kong, e com um mestrado em comunicações da Universidade de Washington.

Ainda assim, algumas mídias independentes de língua chinesa mantêm uma voz nas cidades dos EUA. Por exemplo, Ng publica o Seattle China Post, que ela fundou há 37 anos, depois de ver que os moradores de Chinatown dependiam de um quadro de notícias na rua para ler as notícias.

Como outras editoras independentes, Ng sofreu pressão da crescente presença da mídia na China nos EUA. Mas ela acredita que a combinação de hard news e forte cobertura local do jornal continuará atraindo assinantes.

"Nós criticamos a China e Taiwan sempre que queremos", diz ela, vestindo uma jaqueta rosa e um boné de beisebol. Trabalhando até tarde enquanto seu jornal vai para a imprensa, ela se senta perto de uma parede forrada de prêmios e homenagens por seu serviço. "Nós somos pró-comunidade", diz ela.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]