i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
CHANCELER ALEMÃ

De saída da vida política, Merkel lidera lista de mulheres mais poderosas da Forbes pelo oitavo ano

Em segundo lugar está a premiê britânica Theresa May

  • 05/12/2018 17:20
A chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da França, Emmanuel Macron, falam com a imprensa ao chegar para uma reunião de líderes da União Europeia em Bruxelas, 28 de junho | Jasper Juinen / Bloomberg
A chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da França, Emmanuel Macron, falam com a imprensa ao chegar para uma reunião de líderes da União Europeia em Bruxelas, 28 de junho| Foto: Jasper Juinen / Bloomberg

A chanceler alemã, Angela Merkel, 64, lidera pela oitava vez consecutiva a lista das cem mulheres mais poderosas do mundo divulgada nesta terça-feira (4) pela revista Forbes.

O poder de Merkel, ressalta a revista, permanece intacto mesmo diante do anúncio da chanceler alemã, em outubro passado, de que não buscará um quinto mandato na chefia de governo em 2021 e que deixará a liderança da União dos Democratas Cristãos (CDU) no fim de 2018. 

Leia mais: Anúncio de Merkel desencadeia disputa para substituí-la

Segundo a Forbes, o impacto que ela teve como líder da CDU desde 2000 e chanceler alemã desde 2005 é inegável. "Merkel continua como a líder de fato da Europa, liderando a maior economia da região depois de guiar a Alemanha pela crise financeira e de volta ao crescimento", afirma a publicação. 

Na lista geral da revista, divulgado em maio, ela aparece em quarto lugar, atrás dos presidentes da China, Rússia e Estados Unidos. 

No cenário interno, contudo, Merkel passou a enfrentar dificuldades. Desistiu de concorrer a reeleição à liderança da CDU na votação prevista para este mês depois de resultados desfavoráveis em eleições regionais para os partidos da coligação que a sustenta. 

No estado de Hesse, a CDU venceu com cerca de 27% dos sufrágios, seu pior desempenho local em mais de 50 anos. Os sociais-democratas, parceiros dela na situação, alcançaram um segundo lugar com sua marca mais baixa em mais de 70 anos. Baque semelhante ocorreu no pleito da Baviera. Ali, a CSU, "irmã" local da CDU, perdeu 16 cadeiras legislativas, e a SPD (social-democracia) ficou na quinta colocação. 

Na eleição nacional de 2017, a maré já começara a virar, com a ascensão do partido ultradireitista Alternativa para a Alemanha (AfD) ao Bundestag e um período de limbo de seis meses até a formação do atual governo. 

Na chancelaria, Merkel arrastou a conservadora CDU para uma posição mais centrista no espectro político alemão. Aumentou benefícios sociais, aboliu o alistamento militar obrigatório e restringiu a produção de energia oriunda de fontes fósseis. 

Mas talvez o episódio mais simbólico dessa guinada tenha sido a política de portas abertas para a imigração, que fez chegarem ao país, só em 2015, mais de 1,1 milhão de refugiados. 

A medida, saudada por organizações humanitárias e líderes progressistas, rendeu críticas a Merkel em seu próprio partido, assim como em estratos mais nacionalistas da sociedade alemã, sobretudo nos estados da antiga República Democrática Alemã (leste). Alguns analistas avaliam que a forma como a chanceler conduziu a política migratória nacional turbinou discursos e agremiações xenófobas, como a cada vez mais robusta AfD. 

Britânica May é segunda na lista 

A lista da Forbes segue com a premiê britânica, Theresa May, 62, que enfrenta forte oposição de dentro e fora de sua coligação para a aprovação do acordo do "brexit", a saída britânica do Reino Unido. 

Leia mais: Tudo o que você precisa saber sobre o Brexit

Em terceiro lugar está Christine Lagarde, 62, a diretora do FMI (Fundo Monetário Internacional). Em seguida, Mary Barra, a CEO da General Motors, e em quinto, Abigail Johnson, CEO da Fidelity Investments. 

Fora do cenário político, garantem espaço na lista a cantora Taylor Swift, 28, em 68º lugar e a autora americana Shonda Rhimes, 48, responsável por sucessos como "Grey's Anatomy" e "Scandal", em 12º lugar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.