i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise

Enviado da Rússia não vê chance de resolução da ONU para a Síria

Os comentários de Chizhov foram as mais recentes insinuações de que a Rússia iria vetar a resolução caso o texto não atenda às preocupações de Moscou

  • PorReuters
  • 01/02/2012 06:26

O enviado da Rússia para a União Europeia, Vladimir Chizhov, disse nesta quarta-feira que não havia chances de o esboço árabe-ocidental de resolução no Conselho de Segurança da ONU passar sem que seus termos fossem esclarecidos, a fim de descartar uma potencial intervenção militar, reportou a agência de notícias russa Interfax.

Os comentários de Chizhov foram as mais recentes insinuações de que a Rússia iria vetar a resolução - a qual apoia um plano da Liga Árabe que pede que o presidente sírio, Bashar al-Assad, deixe o poder - caso o texto não atenda às preocupações de Moscou.

"(O esboço) está perdendo a coisa mais importante: uma cláusula clara que descarte a possibilidade de que a resolução possa justificar uma intervenção militar de fora nos assuntos sírios. Por essa razão, eu não vejo a chance de que este esboço possa ser adotado", afirmou Chizhov.

A Rússia alertou repetidas vezes que irá impedir o Conselho de Segurança de aprovar uma potencial intervenção militar na Síria, onde as Nações Unidas dizem que mais de 5 mil pessoas foram mortas desde que o governo de Assad começou a reprimir protestos pró-democracia há quase um ano.

Ano passado, a Rússia acusou os EUA e outras nações que integram a Otan de ultrapassar os limites da resolução do Conselho de Segurança, de 21 de março, que autorizava uma campanha aérea na Líbia, valendo-se disso para depor o líder Muamar Kadafi. O governo russo permitiu a aprovação da resolução passasse ao se abster na votação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.