Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Wanda Cooper-Jones, mãe da vítima, se emociona após o anúncio do veredicto
Wanda Cooper-Jones, mãe da vítima, se emociona após o anúncio do veredicto| Foto: EFE/EPA/Stephen B. Morton

Três homens, Travis McMichael, Gregory McMichael e William Bryan Jr., foram condenados nesta quarta-feira (24) nos Estados Unidos pelo assassinato de um homem negro, Ahmaud Arbery, em 2020, no estado da Geórgia. A sentença ainda será anunciada.

Todos os três réus foram condenados por homicídio, agressão com agravante, cárcere privado e tentativa de cometer um crime. O júri também condenou Travis McMichael, que atirou em Arbery, por homicídio doloso.

“Foi uma longa luta. Foi uma luta difícil. Mas Deus é bom”, disse a mãe de Arbery, Wanda Cooper-Jones, do lado de fora do tribunal do condado de Glenn, após o anúncio dos veredictos. “Nunca pensei que esse dia chegaria, mas Deus é bom.”

O incidente ocorreu em fevereiro de 2020. Os três réus, que são brancos, perseguiram Arbery, que era negro, e atiraram nele. Os McMichaels, que são pai e filho, foram denunciados em maio de 2020, depois que os advogados da família de Arbery divulgaram imagens em que os réus confrontavam Arbery, com Travis depois atirando nele. William Bryan, que se juntou aos McMichaels na perseguição a Arbery e filmou o incidente, foi denunciado logo depois.

Os réus alegaram acreditar que Arbery poderia ser responsável por uma série de roubos na vizinhança. A defesa citou a lei de prisão por cidadãos da Geórgia, que afirmava que um cidadão pode efetuar uma prisão “se o crime for cometido na sua presença ou dentro do seu conhecimento imediato”. A lei foi revogada em maio deste ano.

No entanto, a acusação alegou que as ações dos réus não estavam cobertas por essa lei, porque os três não informaram a polícia de nenhum crime específico que Arbery cometeu no dia em que ele foi baleado.

“Isso não é suficiente para a prisão de um cidadão. Não é uma causa provável”, disse a promotora Linda Dunikoski ao júri durante os argumentos finais. “Foi assim: ‘Eu não sei o que diabos esse cara estava fazendo, mas ele estava correndo pela rua muito rápido’.”

Dunikoski disse depois que os réus “tomaram a decisão de atacar Ahmaud Arbery na calçada das suas casas (apenas) porque ele era um homem negro correndo na rua”.

© 2021 The National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]