034128

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Na ONU, Rússia bloqueia resolução contra Nicolás Maduro

venezuela

Na ONU, Rússia bloqueia resolução contra Nicolás Maduro

União Europeia dá ultimato a ditador venezuelano e promete reconhecer Juan Guaidó se não forem convocadas eleições livres nos próximos dias

  • São Paulo e Caracas
  • Das agências
Venezuelanos protestaram em favor de Juan Guaidó e contra o ditador Nicolás Maduro diante do prédio das Nações Unidas, em Nova York, enquanto o Conselho de Segurança se reunia. | Kena Betancur/AFP
Venezuelanos protestaram em favor de Juan Guaidó e contra o ditador Nicolás Maduro diante do prédio das Nações Unidas, em Nova York, enquanto o Conselho de Segurança se reunia. Kena Betancur/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, convocada a pedido dos Estados Unidos e realizada neste sábado, terminou com muita discussão e sem resultado algum. Os EUA queriam que o CS aprovasse uma resolução em favor do presidente interino, Juan Guaidó, mas a Rússia, um dos cinco países com poder de veto no órgão, derrubou o texto de imediato.

O rascunho, divulgado antes da reunião, afirmava que “Como as condições na República da Venezuela continuam a se deteriorar, o Conselho de Segurança expressa seu apoio total à Assembleia Nacional como a única instituição eleita democraticamente no país”. Uma aprovação da resolução implicaria no reconhecimento tácito de Guaidó como chefe de Estado da Venezuela. O texto pedia ainda “o início imediato de um processo político que leve a eleições livres e justas com observação eleitoral internacional no mínimo prazo possível”.

Na reunião, o embaixador russo junto à ONU, Vassily Nebenzia, acusou os EUA de fomentarem um golpe de Estado na Venezuela. “A Venezuela não representa uma ameaça à paz e à segurança. O que representa uma ameaça para a paz é a tentativa vergonhosa e agressiva dos EUA e de seus aliados de derrubar o presidente da Venezuela, legitimamente eleito”, afirmou. “Os EUA nunca mudaram sua forma de ver a América Latina, sua zona de interesse exclusiva, o pátio onde podem fazer o que lhes dá vontade”, acrescentou.

Leia também: Cocaína e suborno ajudam Maduro a manter fidelidade de generais

Opinião da Gazeta: Uma saída para Maduro

Os demais membros do Conselho de Segurança, no entanto, não endossaram a posição russa. O Reino Unido afirmou que “o socialismo de Maduro destruiu o país”, enquanto o Peru lamentou “a ruptura da ordem constitucional que deu lugar a uma grave crise”.

Mike Pompeo, secretário de Estado norte-americano, afirmou que os países das Nações Unidas devem “escolher um lado” quanto à Venezuela, instando-os a apoiar Guaidó e pedindo eleições livres e justas o quanto antes. Ele ainda defendeu que os países que já expressaram apoio a Guaidó também rompam financeiramente com o regime do ditador Nicolás Maduro, a quem chamou de “ex-presidente”. “Esperamos que cada nação se junte a nós e reconheça o presidente interino Juan Guaidó”, afirmou o norte-americano. “Também esperamos que cada uma dessas nações garanta que irá desconectar seus sistemas financeiros do regime Maduro e permita que os recursos que pertencem ao povo venezuelano vão para os líderes de direito daquele país.”

“Agora é a hora para que cada nação escolha de que lado está. Sem mais atrasos, sem mais jogos. Ou se está com as forças da liberdade ou na liga de Maduro e de seu caos”, afirmou Pompeo. “Chegou a hora de apoiar o povo venezuelano, reconhecer o novo governo liderado pelo presidente interino Juan Guaidó e terminar com esse pesadelo. Não há desculpas.”

União Europeia

Mais cedo neste sábado a chefe de política externa da União Europeia, Federica Mogherini, afirmou que reconhecerá Guaidó como presidente se o governo não anunciar novas eleições nos próximos dias. Na semana passada, os governos de Espanha, França, Alemanha e Reino Unido já haviam feito promessa semelhane e deram a Maduro um prazo de oito dias para a convocação do pleito.

Os chavistas rejeitaram os apelos. O chefe do PSUV, Diosdado Cabello, disse que líderes como o espanhol Pedro Sanchez deveriam pensar duas vezes antes de falar sobre a democracia na Venezuela. Sanchez tornou-se primeiro-ministro da Espanha como resultado de um acordo parlamentar de bastidores, depois que seu antecessor renunciou em meio a acusações de corrupção. “Quem o elegeu?”, questionou Cabello. Em comício a simpatizantes no estado de Cojedes, ele declarou que “ninguém pode vir e nos dar ordens”.

Anistia

A lei de anistia que a Assembleia Nacional já aprovou em primeira votação e ainda deve passar por uma segunda foi distribuída, neste sábado, em panfletos por militantes dos partidos de oposição em vários pontos de Caracas. A legislação se baseia no artigo 187 da Constituição vigente, que diz que podem ser excluídos delitos ou infrações “com a finalidade de restabelecer a paz social e democrática e a concórdia nacional”. A anistia aprovada se estenderia a todos os funcionários civis e militares ligados ao governo “que colaborem com a restituição da ordem constitucional da Venezuela”.

A Assembleia argumenta que a ativação desse recurso se faz necessária porque, neste primeiro mês de 2019, “se aprofundou a ruptura da ordem constitucional”, com o ditador Nicolás Maduro assumindo mais um mandato depois de eleições “fraudulentas e irregulares”, segundo diz o panfleto.

Embora em sua apresentação em atos pela capital a lei esteja sendo aplaudida por antichavistas, há quem veja nelas falhas, por não terem sido ouvidas entidades de direitos humanos ou vítimas dos delitos cometidos pelo regime. Para o analista político Mariano de Alba, por exemplo, “a lei também deveria dar destaque aos direitos das vítimas, discutindo algum tipo de reparação pelo dano causado”. E acrescenta: “essa anistia é muito ampla e soa pouco realista, creio que falta detalhar melhor em que casos a anistia seria total, e em que outros o que caberia seria uma redução de penas”.

Guaidó, que no dia 23 prestou juramento como presidente interino do país, crê que essa amplitude da lei é necessária para que a transição ocorra.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE