i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
regime Assad

ONU acusa Síria de manter armamento pesado nas cidades

As forças de segurança sírias mantêm armas pesadas nas cidades e tanto o governo como a oposição cometeram violações do cessar-fogo, vigente desde 12 de abril

  • PorAFP
  • 01/05/2012 14:42

A ONU acusou nesta terça-feira (1º) o regime de Bashar al-Assad de ter negado vistos a três observadores e de manter armamento pesado nas cidades da Síria, onde 31 pessoas foram mortas em episódios de violência, segundo a oposição.

As forças de segurança sírias mantêm armas pesadas nas cidades e tanto o governo como a oposição cometeram violações do cessar-fogo, vigente desde 12 de abril, anunciou nesta terça-feira (1º) o chefe das operações de manutenção da paz da ONU, Hervé Ladsous.

Ladsous disse em uma entrevista coletiva à imprensa que, até o momento, os países da ONU ofereceram apenas 150 dos 300 observadores previstos.

Os 24 observadores desarmados já presentes na Síria viram armas pesadas nas cidades, acrescentou.

"Em relação às armas pesadas, nossos observadores militares viram alguma quantidade de veículos blindados e de canhões Howitzer, além de outros armamentos", declarou.

As autoridades sírias indicaram aos observadores que os veículos blindados foram retirados, mas que não foi possível verificar, acrescentou o diplomata.

Além da suspensão das hostilidades, o plano do emissário internacional Kofi Annan prevê a volta do Exército aos quartéis, o direito de se manifestar pacificamente e a libertação das pessoas detidas durante a revolta popular.

Ladsous também frisou que Damasco havia negado vistos a três observadores, sem dizer suas nacionalidades.

Enquanto isso, o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), com sede na Grã-Bretanha, afirmou que 31 pessoas morreram em episódios de violência nesta terça-feira.

Pelo menos dez civis, entre eles nove membros de uma mesma família, morreram em bombardeios das tropas na província de Idleb (noroeste), indicou o OSDH. A tragédia ocorreu no início do dia, quando um obus caiu em uma casa, matando nove pessoas, entre elas quatro mulheres e duas crianças, indicou a organização.

O regime, que não reconhece a magnitude do protesto, acusa "grupos terroristas armados" de semear o caos.

O governo sírio "enfrentará as ações dos grupos armados", disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Faisal Meqdad, durante um encontro com o general norueguês Robert Mood, chefe da missão da ONU na Síria.

Meqdad denunciou uma "escalada sem precedentes da violência desses grupos desde a chegada dos observadores" e exortou Mood a "investigar as violações" do plano do emissário internacional Kofi Annan e a informar as Nações Unidas com "exatidão e imparcialidade".

Desde março de 2011, quando teve início a rebelião popular contra o regime de Assad, a violência provocou na Síria a morte de mais de 11.000 pessoas, segundo o OSDH.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.