i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
imigração

ONU diz que 700 migrantes morreram na semana passada no Mediterrâneo

As mortes teriam acontecido após naufrágios de embarcações na tentativa de cruzar da Líbia para a Itália

    • Folhapress
    • 29/05/2016 13:13
     | STR/AFP
    | Foto: STR/AFP

    Cerca de 700 migrantes, incluindo 40 crianças, podem ter morrido na semana passada em naufrágios de embarcações na tentativa de cruzar da Líbia para a Itália, segundo depoimentos de sobreviventes coletados pelo Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) em relatório publicado neste domingo (29).

    “Nunca saberemos o número exato, nunca conheceremos sua identidade, mas os sobreviventes nos disseram que há mais de 500 mortos”, disse no Twitter após a tragédia de quinta-feira uma porta-voz da Acnur, Carlotta Sami.

    Cerca de 14 mil pessoas foram resgatadas desde segunda-feira em meio a um mar calmo, e houve pelo menos três casos confirmados de barcos afundados. Mas o número de mortos só pode ser estimado com base nos testemunhos de sobreviventes, que ainda estão sendo coletados.

    Incêndio em asilo na capital da Ucrânia deixa ao menos 17 mortos

    Leia a matéria completa

    Cerca de cem pessoas foram declaradas desaparecidas na véspera em outro incidente e 45 corpos foram recuperados na sexta-feira (27) em outro naufrágio, no qual também pode haver desaparecidos.

    De acordo com os sobreviventes, o capitão sudanês de um dos barcos cortou a corda, que se rompeu e decapitou uma mulher. A segunda embarcação afundou rapidamente, levando consigo os que estavam presos no porão.

    O sudanês foi preso ao chegar a Pozzalo junto a outros três supostos traficantes de pessoas, disseram os meios de comunicação italianos. “Durante duas horas lutamos contra a água, mas foi inútil. O barco começou a inundar, e os que estavam no porão não tiveram sorte. Mulheres, homens, crianças, muitas crianças, ficaram presos, e se afogaram”, contou uma menina nigeriana aos mediadores culturais, segundo o jornal La Stampa.

    O ministro do Interior italiano, Angelino Alfano, afirmou no sábado que a Europa precisa de “um acordo urgente com a Líbia e com os países africanos” para deter a crise.

    Os traficantes de pessoas se aproveitam do caos que reina nos países do norte da África desde a queda de Muammar al-Gaddafi, em 2011.

    O presidente do Parlamento Europeu, Martin Sculz, afirmou em uma entrevista ao jornal italiano neste domingo que a proposta italiana para um pacto da UE sobre migração, chamado Migration Compact, foi “a melhor proposta” para deter estas travessias de barcos e prevenir as mortes.

    A Itália quer convencer os países da África a ajudarem a fechar as rotas migratórias à Europa e recuperar parte dos que chegam da Líbia, em troca de mais ajuda e investimento.

    A Alemanha deixou claro, no entanto, que isso vai contra um dos pontos do plano da Itália, que é a criação de “eurobônus” para financiar o desenvolvimento dos países africanos.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.