i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estudos

População da China pode começar a diminuir antes do esperado

Com mais idosos e menos pessoas em idade de trabalhar, o país terá dificuldades para manter seu crescimento acelerado

    • Folhapress
    • 10/01/2019 16:52
    Na China, a taxa de filhos por mulher segue em torno de 1,6 | ANTHONY WALLACE/AFP
    Na China, a taxa de filhos por mulher segue em torno de 1,6| Foto: ANTHONY WALLACE/AFP

    Dois estudos divulgados nos últimos dias indicam que a população da China deve começar a diminuir de tamanho antes do previsto. O país é o mais populoso do mundo, com 1,39 bilhão de pessoas. 

    Em 3 de janeiro, Yi Fuxian pesquisador estabelecido nos Estados Unidos na Universidade de Wisconsin-Madison, divulgou um estudo no qual estima que a população da China encolheu em 1,27 milhão em 2018.

    Para chegar a este número, Yi somou estimativas do número e de nascimento e de mortes no país a partir de dados locais. Os números oficiais do país devem ser divulgados ainda em janeiro. Se a previsão de Yi for confirmada, será a primeira queda de população ao menos desde 1949. 

    Nos últimos meses, informações de cidades e províncias já apontavam a queda. Em Jiangsu, uma das províncias mais populosas do país, o número de nascimentos caiu 12,8% no primeiro semestre de 2018.

    Leia mais: O presidente francês diz que alta fertilidade é fruto da ignorância. Ele está errado

    Em 4 de janeiro, a Academia Chinesa de Ciências Sociais publicou um relatório no qual aponta que a população chinesa deve atingir seu ápice em 2029, com 1,44 bilhão, e começar a encolher a partir de 2030.

    Um estudo da ONU, de 2017, já previa que a China passaria a encolher em 2030, mas estimava que o país chegaria a 1,44 bilhão de pessoas cinco anos antes, em 2024.

    A taxa de filhos por mulher segue em torno de 1,6 e é fruto de uma forte ação de estado para conter o nascimento de crianças, que durou décadas.

    Políticas

    Para conter o aumento da população, a China iniciou em 1979 uma política que permitia apenas um filho por casal. Famílias que descumpriam as regras eram submetidas a punições como multas pesadas, perda do emprego, abortos forçados e esterilização.

    A medida foi flexibilizada a partir de 2000 e suspensa em 2015. Desde então, cada casal pode ter até dois filhos.

    Depois de décadas exigindo o contrário, o governo tenta agora estimular a natalidade com propaganda, que exorta os casais a "ter filhos para ajudar o país", e medidas financeiras, como dedução de impostos que pode chegar a 12 mil yuans (R$ 6.500) por ano. 

    Leia mais: O aumento de natalidade cria pobreza? Bill Gates se contradiz

    Em setembro de 2018, o governo anunciou que iria fechar escritórios de planejamento familiar e direcionar os profissionais que trabalhavam com controle de natalidade para atuar no apoio a gestantes.

    Mesmo com a mudança, o número de nascimentos vêm caindo desde 2017. Foram 17,2 milhões naquele ano, contra 17,86 milhões em 2016, segundo os dados oficiais.

    Os motivos

    A falta de interesse em ter crianças é motivada por várias razões, como o maior número de pessoas vivendo em cidades, onde o custo de vida é maior. "Os pais querem prover os melhores recursos possíveis para seus filhos. Isso não será possível se tiverem vários", disse Huang Wenzheng, especialista em demografia, ao jornal estatal Global Times.

    Outra razão para a queda de natalidade é o fato de jovens preferirem priorizar suas carreiras e, assim, adiarem a decisão de casar e ter filhos ou simplesmente preferirem não formar uma família. 

    Leia também: Não é porque podemos criar bebês geneticamente modificados que devemos fazê-lo

    O problema demográfico deve se agravar porque o número de mulheres em idade fértil diminuirá nos próximos anos, enquanto aumenta o percentual de idosos no país. Em 2017, a China tinha 158 milhões de pessoas com mais de 65 anos, o que representava 11,4% da população.

    Com mais idosos e menos pessoas em idade de trabalhar, o país terá dificuldades para manter seu crescimento acelerado, que segue acima de 6% ao ano desde 1991.

    Para Yi e Huang, a expectativa é de que governo retire neste ano o limite de dois filhos por ano e libere as famílias para terem quantos bebês desejarem.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.