i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
América de Biden

Reaproximação? O que esperar da relação EUA-Cuba na gestão Biden

    • Gazeta do Povo
    • 24/12/2020 19:12
    biden
    Joe Biden anuncia membros do gabinete em Wilmington, Delaware, em 24 de novembro de 2020| Foto: AFP

    Uma das principais marcas da política externa do governo do ex-presidente americano Barack Obama foi a aproximação dos Estados Unidos à ditadura castrista de Cuba. Em 2016, a viagem de Obama à Havana foi celebrada como um movimento que “finalmente pôs fim à Guerra Fria”. Contudo, ao entrar para história sendo o primeiro presidente dos EUA a visitar Cuba desde 1928, Obama acabou deixando em segundo plano crises mais urgentes que estavam ocorrendo na América Latina: a derrocada da democracia na Venezuela e na Nicarágua, que já estavam fragilizadas.

    Durante os últimos quatro anos, a administração do republicano Donald Trump reverteu completamente a política em relação a Cuba, aumentando as sanções contra o país. Agora que os democratas vão voltar ao poder, o presidente eleito Joe Biden pode tentar reconstruir o legado de uma gestão da qual participou como vice-presidente.

    “Precisamos de uma nova política para Cuba. A abordagem da administração [Trump] não está funcionando. Cuba não está mais perto da democracia do que há 4 anos”, disse o então candidato Biden em um evento de campanha em Miami em 5 de outubro.

    O novo governo promete reverter algumas das sanções que Trump impôs à ditadura castrista durante o seu mandato, apostando na redução das restrições a viagens, remessas e investimentos na ilha, segundo fontes a par do assunto.

    “Acho que Biden tentará mudar a narrativa, para que a política dos EUA volte a ser sobre voos e transferências de dinheiro para os cubanos de Miami a suas famílias, para capacitar artistas, empresários e músicos cubanos”, disse ao Washington Post Collin Laverty, que opera visitas educacionais para americanos a Cuba. "Há esperança de que volte a isso rapidamente”.

    No entanto, é improvável que Biden faça desta reaproximação uma das prioridades de sua política externa para a região, como fez Obama. Primeiro porque isso poderia ter um custo político alto internamente, pois poderia afastar ainda mais os votos dos latinos da Flórida, onde está a maior comunidade de cubanos-americanos nos EUA. O Partido Democrata perdeu as duas últimas eleições presidenciais no estado, em 2016 e 2020, e arriscaria ter o mesmo destino em 2024.

    Segundo, porque há problemas mais urgentes na região. A ditadura castrista, além de constantemente violar os direitos humanos de sua população, é responsável, em parte, pela crise humanitária da Venezuela, já que ajudou Nicolás Maduro a consolidar-se no poder, exportando o seu sistema opressor ao regime chavista.

    Andrés Martínez-Fernández, pesquisador do American Enterprise Institute, lembrou, em um artigo recente, que “enquanto Washington negociava acordos com a ditadura cubana para combater o narcotráfico”, entre 2014 e 2016, “Havana fortaleceu seu apoio à narcoditadura venezuelana, apoiando instituições que esmagam violentamente o povo venezuelano e geraram uma crise de refugiados sem precedentes no ano passado”. Biden não deveria incorrer no mesmo erro.

    Especula-se que a equipe do democrata busque aliviar as tensões com Havana para ter mais meios de trabalhar para uma resolução pacífica da crise política e econômica na Venezuela. Se isso ocorrer, também será uma virada de 180 graus na política dos EUA para o país sul-americano, que até agora teve pouco ou nenhum resultado efetivo para a redemocratização da Venezuela. Mas com essa nova aposta, corre-se o risco de enfraquecer ainda mais a oposição ao regime chavista e consolidar Maduro no poder, assim como ocorreu após várias tentativas de negociação com o ditador.

    “O governo Biden deve agora enfrentar as ramificações desses e de outros desafios urgentes, incluindo a pandemia COVID-19 e a pior crise econômica em décadas”, em vez de priorizar uma reaproximação com Cuba, escreveu Fernández. “Acrescente a isso desafios geopolíticos mais amplos, como o aumento da influência chinesa, e não faltarão questões urgentes na América Latina que exijam um envolvimento ativo dos EUA”.

    4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 4 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • G

      GUSTAVO

      ± 16 horas

      Nossa, que questão fundamental para geopolítica dos EUA. Como será a relação dos EUA com a pobre, falida e miserável Cuba. Gazeta, gazeta, os anunciantes não vão aguentar por muito tempo está sua linha

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Z

        Zyss

        ± 23 horas

        Esperar o que de um país miserável? Espero nada

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Maquiavel

          25/12/2020 1:38:23

          Eu não espero nada deste velhote!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            JOSMAR PORTUGAL VAZ

            25/12/2020 0:25:03

            Cuba continua agindo de forma truculenta contra os seus cidadãos . Ditadura cruel que precisa ser repelida de forma impiedosa para que seu povo possa ser tratado de forma humanitária..

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.