141126

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Reportagem revela décadas de abuso sexual cometido por membros da Convenção Batista do Sul nos EUA

investigação

Reportagem revela décadas de abuso sexual cometido por membros da Convenção Batista do Sul nos EUA

Cerca de 700 vítimas foram abusadas sexualmente por centenas de líderes da Convenção Batista do Sul nos últimos 20 anos, segundo investigação publicada pela imprensa americana

  • Kristine Phillips, Amy B Wang
  • Washington Post
Segunda a reportagem investigativa, alguma das vítimas tinham apenas três anos de idade | Foto ilustrativa/Pixabay
Segunda a reportagem investigativa, alguma das vítimas tinham apenas três anos de idade Foto ilustrativa/Pixabay
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

"20 anos, 700 vítimas"  

Assim se lê parte da manchete de uma investigação abrangente que descobriu anos de abuso sexual perpetrados por centenas de líderes da Convenção Batista do Sul nos Estados Unidos contra um número ainda maior de vítimas. 

O Houston Chronicle e o San Antonio Express-News informaram que quase 400 líderes e voluntários da Igreja Batista do Sul enfrentaram acusações de má conduta sexual nas últimas duas décadas. Cerca de 700 vítimas – algumas com apenas três anos – foram abusadas sexualmente, algumas foram estupradas e molestadas repetidamente, segundo as reportagens.

Mas, em vez de garantir que os predadores sexuais fossem mantidos à distância, a Convenção Batista do Sul resistiu às mudanças políticas, segundo os jornais. As vítimas acusaram os líderes da igreja de lidar mal com suas queixas, até mesmo escondendo-as do público. A maioria dos agressores foi condenada por crimes sexuais, mas a investigação constatou que pelo menos 36 pastores, funcionários e voluntários que demonstraram comportamento predatório ainda trabalhavam nas igrejas. 

As revelações, publicadas no domingo, não só levaram a um coro de condenação e pedidos de reestruturação, mas também levaram os líderes da Igreja a lidar com a preocupante história – e futuro – da maior denominação protestante dos EUA. 

"Devemos admitir que nossos fracassos, como igrejas, colocaram esses sobreviventes em uma posição em que foram forçados a ficar sozinhos e falar, quando deveríamos estar lutando por eles", disse JD Greear, que foi eleito presidente da Convenção Batista do Sul. "Sua coragem é exemplar e profética. Mas lamento que a coragem deles tenha sido necessária." 

A investigação jornalística ocorre em meio a uma série de acusações recentes de abuso sexual por padres católicos e de encobrimentos da hierarquia da igreja. Apenas alguns dias antes, o papa Francisco reconheceu que membros do clero católico abusaram de freiras durante anos. 

Admissão de culpa

A Igreja Batista do Sul, uma irmandade de mais de 47.000 igrejas batistas e 15 milhões de membros em todos os Estados Unidos e seus territórios, é o segundo maior grupo religioso do país depois da Igreja Católica. 

Greear abordou a investigação em termos contundentes, dizendo em um longo comentário no Twitter que ele estava "arrasado" com o que havia sido revelado e que era um "erro hediondo" aplicar a doutrina Batista de uma maneira que permite o abuso.  

"Os abusos descritos neste artigo (Houston Chronicle) são pura maldade", escreveu Greear. "Eu me uno a inúmeros outros que estão atualmente 'chorando com aqueles que choram'." 

Greear pediu "mudança generalizada" dentro da denominação, incluindo tomar medidas para evitar o abuso, cooperando plenamente com as autoridades legais quando as pessoas relataram comportamento abusivo e ajudando os sobreviventes a se recuperarem. Ele não entrou em detalhes sobre quais seriam esses passos, exceto para dizer que "a mudança começa com o peso total do problema". 

Leia também: Nova denúncia afirma que João de Deus abusou de criança de 8 anos

Greear também admitiu que a igreja não escutou vítimas de abuso, embora não tenha ficado claro se ele estava indicando que sabia sobre as acusações dentro da Convenção Batista do Sul (SBC). Ele acrescentou: "Nós – líderes da SBC – deveríamos ter escutado as advertências daqueles que tentaram chamar a atenção para isso. Estou comprometido em fazer todo o possível para garantir que nunca mais cometamos esses erros." 

Russell Moore, presidente da Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, disse que as revelações são "alarmantes e escandalosas" e retratam a depravação daqueles que usaram suas posições de poder para atacar indefesos sob o disfarce da fé. 

 "Nada é pior do que o uso do nome de Jesus para atacar os vulneráveis, ou usar o nome de Jesus para encobrir tais crimes", escreveu Moore em um longo texto postado em seu site. Ele ainda pediu que as igrejas relatassem imediatamente possíveis casos de abuso sexual de crianças e adultos. 

Não há solução rápida 

Megan Lively, que acusou um proeminente líder da igreja de encorajá-la a não denunciar às autoridades que havia sido estuprada, disse que, embora soubesse que havia outras mulheres com histórias semelhantes, ficou chocada com o número de vítimas reveladas pela investigação dos jornais.

"Não consigo colocar em palavras o desespero que senti antes e continuo a sentir agora", disse Lively em um e-mail ao Washington Post. 

Saiba também: Médico é condenado a até 175 anos de prisão após abusar de ginastas nos EUA

Lively contou ao Post no ano passado que foi estuprada em 2003, quando estava cursando mestrado no Seminário Teológico Batista do Sudeste, em Wake Forest, Carolina do Norte. A presidente do seminário na época, Paige Patterson, pediu que Lively não denunciasse o suposto abuso à polícia e perdoasse seu agressor, segundo o relato da vítima. 

Lively disse que não haverá uma "solução rápida" para os problemas de abuso sexual, mas ela está confiante na atual liderança da Convenção Batista do Sul. 

"Eles lutaram por mim e me amaram, muitas vezes nos bastidores, sem reconhecimento público, em um esforço para me manter segura e manter minha história privada... Eles estão trabalhando duro para garantir que os erros do passado não se repitam", disse Lively. "Os líderes da SBC devem estar dispostos a ouvir as histórias difíceis, os pedidos difíceis e aconselhar os sobreviventes... a fim de mudar a cultura", acrescentou.  

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE