Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | ms/mpb/MATT STROSHANE
| Foto: ms/mpb/MATT STROSHANE

O grupo de parques temáticos SeaWorld admitiu, nesta quinta-feira (25), que mandava seus funcionários se passarem por ativistas pró-animais, estratégia muito criticada por grupos defensores dos animais.

“O conselho administrativo instruiu os gerentes da companhia a pôr um fim à prática, em que certos funcionários aparentavam ser ativistas dos direitos dos animais”, indicou em um comunicado da empresa, conhecida por seus espetáculos com as orcas.

Com 11 parques temáticos nos Estados Unidos, o SeaWorld disse que a estratégia servia “para organizar a segurança de seus funcionários, visitantes e animais contra as ameaças recebidas”.

No ano passado, a organização de defesa dos animais Peta, crítica feroz do grupo pelo uso de orcas e de outros animais em suas atividades, descobriu que um empregado da empresa, Paul McComb, havia se infiltrado no grupo. McComb teria participado de pelo menos uma manifestação que terminou em detenções.

O SeaWorld indicou que McComb continua trabalhando no grupo, mas que foi transferido “para outro departamento e já não se encontra em suspensão administrativa”. A medida foi adotada quando a polêmica começou.

A vice-presidente da Peta, Tracy Reiman, lamentou que o “espião” continue na empresa, em um comunicado contra o grupo por supostos maus-tratos aos animais. “As finanças do SeaWorld continuam caindo à medida que mais animais morrem em seus pequenos tanques, com uma morte a cada mês desde novembro”, indicou Reiman.

Ela também pediu à empresa para “modernizar seu negócio”, criando santuários para os animais, e não mais “prisões para golfinhos”.

Após anos de críticas por seu tratamento às orcas, o SeaWorld anunciou, no final do ano passado, que encerrará seus espetáculos com estes mamíferos aquáticos em seu parque em San Diego, na Califórnia.

A empresa sofreu um duro golpe em 2013 com a estreia do documentário “Blackfish”. O filme denuncia os maus-tratos cometidos contra as orcas em seus cativeiros, vivendo em tanques reduzidos e com pouca luz.

O número de visitantes caiu e, desde então, o SeaWorld vem tentando reverter essa imagem com uma nova campanha publicitária e com descontos. O grupo afirma que recebe mais de 22 milhões de visitantes por ano em seus parques.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]