i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
EUA-Coreia do Norte

Trump elogia Kim Jong-un, dizendo que recebeu uma “bela carta” dele

    • Washington
    • Washington Post e Gazeta do Povo
    • 11/06/2019 19:26
    O presidente dos EUA Donald Trump mostra um documento que seria uma página do acordo ainda não revelado entre Estados Unidos e México em um jardim da Casa Branca, Washington, 11 de junho
    O presidente dos EUA Donald Trump mostra um documento que seria uma página do acordo ainda não revelado entre Estados Unidos e México em um jardim da Casa Branca, Washington, 11 de junho| Foto: Jabin Botsford / The Washington Post

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que recebeu uma "bela carta" do ditador norte-coreano Kim Jong-un, uma nota que, segundo ele, previa o progresso das negociações paralisadas de seu governo para a desnuclearização do regime.

    Trump, falando a jornalistas em frente à Casa Branca nesta terça-feira (11), disse que a carta de Kim chegou na segunda-feira.

    "Eu não posso mostrar a carta a vocês, obviamente, mas é uma carta muito pessoal, muito calorosa e muito gentil", disse Trump. "A Coreia do Norte tem um tremendo potencial, e ele estará lá. Sob sua liderança... E a pessoa que sente isso mais do que qualquer um é Kim. Ele entende. Ele entende totalmente."

    Após a cúpula de Trump com Kim no Vietnã, que terminou em fevereiro sem um acordo, a Coreia do Norte lançou mísseis de curto alcance e interrompeu as negociações com diplomatas americanos. O regime exigiu que os Estados Unidos abandonassem sua recusa em afrouxar as sanções até que a Coreia do Norte se desnuclearize completamente.

    Mas Trump mostrou a carta como um sinal de que as negociações estavam no caminho certo. "Eu acho que algo vai acontecer que vai ser muito positivo", disse ele nesta terça-feira.

    Pete Buttigieg, um dos possíveis adversários de Trump na campanha presidencial de 2020, teve um momento premonitório na terça-feira, ao dizer para uma multidão uma hora antes da fala de Trump: "Você não vai me ver trocando cartas de amor em papel timbrado da Casa Branca com um ditador brutal que mata seu próprio povo".

    Soldados americanos mortos na Guerra da Coreia

    Trump também afirmou que os restos mortais de soldados norte-americanos "continuam vindo para cá", mas, na realidade, o Pentágono suspendeu seus esforços para recuperar os corpos dos soldados americanos mortos na Guerra da Coreia (1950 a 1953). Um acordo de cooperação para que a Coreia do Norte transferisse um número não especificado de corpos foi firmado após a primeira cúpula entre Trump e Kim, mas a tarefa também foi suspensa após a segunda cúpula entre os líderes.

    Os militares dos EUA disseram que não conseguiram entrar em contato com as autoridades norte-coreanas para discutir questões relacionadas à recuperação dos restos mortais.

    "Chegamos ao ponto em que não podemos mais planejar, coordenar e conduzir efetivamente as operações de campo na Coreia do Norte durante este ano fiscal, que termina em 30 de setembro de 2019", disse a agência do Departamento de Defesa encarregada de recuperar os restos mortais.

    Trump também foi questionado sobre a notícia de que o meio-irmão assassinado de Kim teria sido um informante da CIA. O presidente afirmou que teria dito a Kim: "Eu não deixaria isso acontecer sob meus auspícios".

    Não ficou claro se Trump quis dizer que Kim não teria matado seu meio-irmão durante o seu mandato, ou se Trump não teria permitido que o meio-irmão de Kim se tornasse um ativo da CIA.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.