Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Vídeo mostra pouso de emergência de avião no Rio Hudson, em Nova York

Susto a bordo

Vídeo mostra pouso de emergência de avião no Rio Hudson, em Nova York

Equipe de investigação procura turbinas desaparecidas da aeronave. Pássaros tragados pela turbina podem ter causado o acidente de quinta

  • G1/Globo.com
Passageiros ficam sobre as asas do Airbus A320, no Rio Hudson, que contorna a ilha de Manhattan: todos os passageiros foram resgatados |
Passageiros ficam sobre as asas do Airbus A320, no Rio Hudson, que contorna a ilha de Manhattan: todos os passageiros foram resgatados
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Imagens divulgadas pela Guarda Costeira dos EUA mostram o momento do pouso de emergência de um avião da US Airways, ocorrido na última quinta-feira no Rio Hudson, em Nova York. Imagens de cinegrafista amador também mostram o avião logo após a decolagem, antes de ter problemas.

Investigadores federais disseram na sexta-feira que as duas turbinas do avião da US Airways acidentado no dia anterior em Nova Yort não estavam no aparelho. Mergulhadores da polícia iriam neste sábado tentar recuperar as peças, que devem estar submersas no Rio Hudson.

O avião da US Airways fez um difícil pouso de emergência na quinta-feira no rio, após ter tido um problema aparentemente provocado por pássaros tragados pela turbina.

A equipe de 20 pessoas que investiga o acidente disse que vai centrar os esforços na recuperação da caixa-preta e em entrevistas com a tripulação.

"Uma vez que tenhamos as informações do voo, poderemos descobrir quando a turbina se separou do avião", disser Peter Knudson, porta-voz do Comitê Nacional de Segurança dos Transportes.

A aeronave foi rebocada para um píer em Manhattan nesta sexta-feira. Só um pedaço de uma asa estava acima do nível da água.

Mergulhadores inspecionaram a "barriga" do avião para assegurar-se se ele estava estável o suficiente para ser içado. Várias cordas de segurança foram passadas por baixo dele.

Policiais e equipes de emergência também retiraram 15 bagagens de mão, a porta do avião, peças de metal e peças flutuantes que estavam sobre a água.

Ainda não estava claro se o avião seria retirado por inteiro ou por partes. "Queremos recuperar o avião o mais rápido possível, mas queremos fazê-lo de maneira segura", disse Kitty Higgins, outra porta-voz do comitê.

Especialistas ouvidos pela agência de notícias Associated Press, confirmam que o choque com pássaros pode ter sido o motivo do acidente.

Segundo a agência, o piloto do voo 1549 reportou aos controladores um "duplo choque com pássaros" momentos depois da decolagem, e disse que perdeu força propulsora nos dois motores, afirmou Alex Caldwell, porta-voz da Associação Nacional de Controladores de Tráfego Aéreo. De acordo com elendo ele, tecnicamente isso significa que o avião foi atingido por dois pássaros.

Mas o presidente da Associação de Pilotos de Linha Aérea afirmou à Associated Press que a mensagem do piloto pode ter significado que não é fácil saber quantos pássaros atingiram o avião.

De 1990 a 2007, cerca de 80 mil incidentes com pássaros foram reportados na aviação civil, quase um choque para cada 10 mil voos, de acordo com a FAA e o Departamento de Agricultura.

No incidente com o avião da US Airways, todos os passageiros foram resgatados com vida, segundo a Administração Federal da Aviação Civil americana (FAA).

O pouso

O avião, um Airbus A-320, havia decolado do aroporto de La Guardia com o voo 1549 com destino a Charlotte, na Carolina do Norte. Segundo a US Airways, havia 150 passageiros e cinco tripulantes. Informações anteriores davam conta de números entre 135 e 150 pessoas. A FAA chegou a falar em 148 passageiros, mas a companhia aérea confirmou 155 pessoas como número oficial.

A FAA disse estar investigando relatos de que o avião teria atingido gansos em revoada ao decolar do aeroporto LaGuardia. Um passageiro contou à Reuters que ouviu uma espécie de explosão minutos após a decolagem. "O motor explodiu. Havia fogo por todo lado, e o cheiro era de gás", afirmou Jeff Kolodjay, num cais no centro de Manhattan.

"As pessoas estavam sangrando em toda parte. Batemos forte na água. Foi assustador", disse. Segundo o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, ainda é cedo para especular sobre as causas do acidente. O avião foi rebocado e vai ser analisado para que se descubram o que fez as turbinas pararem de funcionar. Bloomberg afirmou que nenhum passageiro teve ferimentos graves. Segundo a CNN, um dos principais problemas dos sobreviventes levados ao hospital era hipotermia por conta da baixa temperatura da água do rio.

O governador do estado de Nova York, David Peterson, disse que o que aconteceu foi um milagre, e que o piloto do avião era um herói por conseguir pousar na água sem deixar vítimas.

Resgate

Após o acidente, sobreviventes foram vistos sobre as asas da aeronave, aguardando serem resgatados. Imagens de agências de notícias mostravam barcos já fazendo o resgate dos sobreviventes, e a aeronave afundava aos poucos no rio.

Pouco depois do início dos resgates, um sobrevivente do acidente disse à rede de TV CNN que achava que não havia vítimas, e que todas as pessoas a bordo haviam sobrevivido. Segundo este sobrevivente, momentos antes de o avião se chocar contra o rio, o comandante do voo avisou aos passageiros para se prepararem para o impacto. Segundo a reportagem da CNN, os passageiros que eram resgatados chegavam à terra em boas condições.

“Estou certo de que todo mundo saiu”, disse o passageiro que se identificou como Alberto Panero. "É incrível que todos estejam vivos.”

Um outro passageiro disse ter ouvido um barulho semelhante ao de uma explosão logo após decolar. “O motor explodiu. Havia fogo em todos os lugares”, disse o passageiro Jeff Kolodjay, de Norwalk, Connecticut, à agência Reuters. “Algumas pessoas estavam sangrando durante o resgate. O impacto na água foi bastante forte. Foi assustador”, completou.

Acidente

Responsáveis pela segurança interna dos Estados Unidos descartaram qualquer possibilidade de o acidente ter sido causado por terroristas. “Não há nenhuma informação que indique que o incidente esteja relacionado com a segurança”, disse a porta-voz do Departamento de Segurança norte-americano, Laura Keehner. “Continuamos monitorando a situação, que até agora está focando no resgate.” O próprio prefeito Bloomberg disse não haver possibilidade de ter sido um atentado.

Pelo menos oito barcos que fazem o transporte pelas águas do rio Hudson foram usados no resgate. Eles se aproximavam do avião que ainda flutuava e traziam a bordo os passageiros que vestiam coletes salva-vidas.

“Vi o avião voando muito baixo, masde forma controlada. Ele caiu na água. Assim que conseguiu parar ele ficou boiando”, disse Alex Whittaker, que estava no 22º andar de um prédio na Times Square. “As portas se abriram e pude ver as pessoas saindo.”

A US Airways publicou um comunicado dizendo que está investigando o acidente. O presidente da empresa pediu que não se especulasse sobre o que levou o avião a fazer o pouso forçado.

Airbus

A fabricante européia Airbus vai enviar uma equipe de especialistas a Nova York para examinar o aparelho, informou a companhia.

A Airbus enviará uma equipe de especialistas para dar "assistência técnica total" ao Comitê Nacional de Segurança no Transporte dos Estados Unidos (NTSB, na sigla em inglês) e ao Escritório de Pesquisas e Análise da França, encarregados de esclarecer o fato.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE