i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
referendo

Votação sobre Constituição tem início no Egito

Mais de 52,7 milhões de egípcios foram convocados para opinar se aprovam ou não o novo texto da Carta Magna nesta terça e na quarta

  • PorEFE
  • 14/01/2014 04:57
Fila de eleitores no Cairo | REUTERS/Mohamed Abd El Ghany
Fila de eleitores no Cairo| Foto: REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

As zonas eleitorais abriram suas portas no Egito para que os cidadãos votem no referendo sobre a Constituição, consulta boicotada pela Irmandade Muçulmana e seus aliados islamitas.

Mais de 52,7 milhões de egípcios foram convocados para opinar se aprovam ou não o novo texto da Carta Magna nesta terça e na quarta, das 9h locais (5h de Brasília) até as 21h locais (17h de Brasília), em 30.337 zonas eleitorais.

Apesar da operação policial e militar para garantir a segurança do referendo, uma explosão foi registrada uma hora antes da abertura das urnas próximo de um tribunal no bairro de Imbaba, no Cairo, sem causar vítimas.

Nas portas de muitas zonas já há filas de eleitores. Alguns dos principais dirigentes do país, como o presidente interino, Adly Mansour; o primeiro-ministro, Hazem el Beblaui, e o chefe da diplomacia, Nabil Fahmi, já depositaram seu voto, segundo imagens mostradas pela televisão estatal.

A nova Constituição substitui a aprovada pelos islamitas em 2012, que foi suspensa pelos militares em julho passado após a destituição do presidente Mohammed Mursi.

Por meio da consulta, as autoridades buscam legitimar seu roteiro para o país, por isso fizeram forte campanha a favor do texto, que diminui o tom islamita da Constituição anterior e reforça o papel das Forças Armadas.

Espera-se que a Constituição seja aprovada com folga devido à campanha fraca para o "não" e o boicote dos principais opositores ao texto.

O referendo faz parte do plano traçado pelos militares após a derrocada de Mursi e prevê também a realização de eleições presidenciais e parlamentares nos próximos meses.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.