i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – A vigência da Lei Geral de Proteção de Dados deveria ser adiada?

Prorrogação da LGPD e coronavírus: qual é o ponto de equilíbrio?

  • PorRodrigo Cunha Ribas
  • 14/04/2020 15:55
Prorrogação da LGPD e coronavírus: qual é o ponto de equilíbrio?
| Foto: Felipe Lima

Em 14 de agosto de 2018, foi sancionada a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a qual, como o nome indica, dispõe sobre o tratamento de dados pessoais utilizados, sobretudo pelo poder público e por empresários, tendo como principais objetivos proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade dos cidadãos. Portanto, a LGPD representa um verdadeiro marco no Direito brasileiro e a sua importância é inquestionável.

Mas a questão que se coloca é outra: o prazo para parte dessa lei entrar em vigor (14 dos seus artigos já estão em vigor), o que até o momento está previsto para ocorrer em agosto deste ano. A razão para esse questionamento – que não é novo e já vem sendo tratado no Projeto de Lei 5.762/2019 – ganhar força exatamente neste momento é a mais óbvia possível: o coronavírus e os seus impactos na atividade empresarial do país.

Diante desse cenário, o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) propôs o Projeto de Lei 1.164/2020, o qual parece atender aos interesses de todos os destinatários dessa lei, inclusive dos que por ela são protegidos. Afinal, esse projeto de lei não visa exatamente à prorrogação da LGPD como um todo, mas tão somente do prazo para a aplicação das sanções nela prevista, para 12 meses após o início de sua vigência.

Inclusive, é importante ressaltar que esse projeto apenas formaliza uma situação que, ao que tudo indica, iria ocorrer de qualquer maneira, tendo em vista que ainda não foi instituída a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão com competências fundamentais para a implementação da lei, dentre as quais está justamente a aplicação de sanções em caso de tratamento de dados realizado em descumprimento à legislação. Ou seja, faltando menos de cinco meses para a LGPD entrar em vigor, ainda não existe o órgão que terá competência para sancionar aqueles que a descumprirem. Ademais, não haveria bom senso em se punir aqueles que descumprirem a LGPD já a partir de agosto deste ano. Primeiramente, porque a ANPD tem como competência, também, regulamentar essa lei, de modo que se mostra inviável aos empresários prepararem a sua estrutura organizacional para a LGPD sem nem sequer terem como saber os termos da regulamentação que será imposta pela ANPD.

Em segundo lugar, o coronavírus e o seu impacto da economia – que é concreto e com proporção ainda desconhecida – afastam qualquer dúvida sobre a importância de se prorrogar o prazo para vigência de parte da LGPD. Pois, nas palavras do senador Alvaro Dias, “num cenário de possível crise financeira, permitir que as empresas estejam sujeitas a sanções de até R$ 50 milhões seria uma iniquidade em um momento crítico pelo qual atravessa o país”. Em outras palavras, no contexto atual, os empresários estão diante de desafios como alterar toda a forma de trabalho dos seus empregados (home office), a queda brusca no seu faturamento e a manutenção de empregos com menos receita, o que é evidenciado pelas fortes e constantes quedas na bolsa de valores. Logo, não parece razoável que os empresários brasileiros, tendo de enfrentar tamanhos desafios, precisem, neste momento, também direcionar esforços e recursos financeiros para o cumprimento da LGPD, inclusive porque provavelmente muitas dessas medidas necessitarão de uma presença física nos estabelecimentos para a sua implementação, o que não é compatível com o isolamento social ora imposto.

Rodrigo Cunha Ribas é advogado atuante no Direito Empresarial.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.